O Paraná Clube está bem próximo de alcançar seu modesto objetivo na temporada. Depois de ser eliminado precocemente no Campeonato Paranaense e na Copa do Brasil, o torcedor sonhava com uma campanha capaz de levar o clube à primeira divisão. No entanto, por vários aspectos, a equipe “comemora” a eminente permanência na Segundona.

Com 40 pontos e na 13ª colocação, o Tricolor está a sete pontos da zona da degola. Restam sete jogos e, segundo a comissão técnica, estaria faltando pelo menos cinco pontos para permanecer na Série B. “Quando chegamos ao fim das competições existe a discussão da matemática. Trato a questão como um número relativo para escapar e seriam 45 pontos, mas isso pode mudar de acordo com os resultados. Às vezes você projeta isso, mas 43 pode ser positivo. Rodada a rodada tem surpresa, podem ter equipes que irão vencer ou empatar e neste sentido varia muito com os adversários, mas eu acho que 45 é o número essencial”, disse Ricardinho.

Segundo o site Infobola, do matemático gaúcho Tristão Garcia, o Paraná para ser rebaixado precisa perder todos os jogos e tem apenas 3% de possibilidade de jogar a Série C em 2015. Além disto, se usarmos como exemplo as duas últimas edições, o Tricolor realmente pode ficar tranquilo. O Guaratinguetá somou 41 pontos e foi a equipe que abriu a zona do rebaixamento, seguido por Paysandu, São Caetano e ASA em 2013. Em 2012 o CRB caiu com 42 pontos.

Para o término da competição são três duelos na Vila Capanema – Vasco, Atlético-GO e América-RN. Longe de Curitiba partidas contra ABC, Vila Nova, Icasa.

Profissionalismo em 2015

Há sete anos na Série B, o Tricolor almeja evoluir em vários departamentos para se tornar um clube mais profissional. Com esta visão, o técnico Ricardinho, o gerente de futebol Marcus Vinicius e grande parte dos jogadores sabem que os problemas fora de campo acabam refletindo no gramado.

Após a chegada da nova comissão técnica, assuntos ligados a pagamentos foram blindados. No entanto, o clube ainda deve três meses de salários e não fez a rescisão contratual com atletas desligados no último mês. Para o comentarista Tribuna 98 Guilherme de Paula, o Paraná precisa recuperar a credibilidade para pensar em voltar à primeira divisão. “É um processo lento, mas fundamental. Hoje, quase ninguém acredita no clube ou nos seus dirigentes. Não e fácil convencer um bom jogador ou treinador a vir para o Paraná pela situação atual”.

Alguns projetos estão sendo estudados pela diretoria com o objetivo de profissionalizar o clube. O Departamento de Marketing, inclusive, está com novo comando. Com vinte anos no mercado publicitário, a A.R. Ideias é a nova responsável pelas diretrizes de marketing do Paraná Clube.