Se nos bastidores a corridada diretoria é para colocar a casa em ordem, a comissão técnica tem outra preocupação: arrumar a defesa para a sequência da Série B. O Paraná Clube perdeu peças neste setor e a torcida do técnico Marcelo Oliveira é pela recuperação de Irineu e Luís Henrique, que vêm de lesões.

Antes comparada a um “paredão”, a zaga do Tricolor tornou-se vulnerável neste período pós-Copa da Série B. “É incrível como a gente vem sofrendo gols bobos. E, na mesma proporção, temos muitas dificuldades para mandar a bola na rede”, reconheceu o goleiro Juninho, autor do único gol da equipe nas três partidas recentes -naquela cobrança de pênalti contra o Guaratinguetá. A falta de concentração tem sido citado como o principal agente causador do declínio da equipe. “Antes, a bola chegava muito pouco na nossa área. Temos que recuperar esse estilo de jogo, que é fundamental numa competição como esta”, emendou Juninho.

Marcelo Oliveira a próxima semana inteira para tentar arrumar o time. Além do trabalho técnico e tático, sabe que terá que agir diretamente na cabeça dos jogadores, tentando retomar a mobilização de outrora. Quanto à defesa, só uma certeza: Diogo será titular. Ele entra na vaga de Alessandro Lopes, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. “Não me importa se vai ser no meio ou na zaga, quero jogar”, diz o volante, que teve bom desempenho no segundo tempo do jogo contra o Guaratinguetá.

Na oportunidade, ele entrou no meio-campo, com o recuo de Chicão para a zaga, e mostrou muita combatividade e “empurrou” o Paraná para cima do clube paulista. Diogo, porém, não concorda que o Paraná esteja em declínio, por mais que os números mostrem isso. “É coisa de momento. Vai passar. Não está faltando luta e com esse perfil vamos dar a volta por cima”, afirmou.

Na prática, ele, Juan e Chicão seriam as peças disponíveis para a defesa, já que João Leonardo rescindiu contrato e Diego Correa terá que recuperar o crédito com Marcelo Oliveira após a jornada ruim frente ao Guaratinguetá. Com isso, o treinador teria a opção de armar o setor com volantes ou até mudar o esquema de jogo, caso Irineu e Luís Henrique não reúnam condições de jogo. “Estamos fazendo um trabalho específico com o Irineu. Mas é preciso esperar mais alguns dias para ver se ele está apto a voltar”, disse o fisiologista Marcos Walczak.

Irineu sofreu lesão de joelho no amistoso frente ao Brasil de Pelotas e talvez tenha sido a ausência mais sentida neste reinício de Série B. Já o capitão Luís Henrique ainda está com o tornozelo inchado resultado de uma entorse sofrida em Taguatinga , mas mesmo assim trabalhou fisicamente. “Falta uma semana pro jogo. Dá tempo para recuperar”, acredita o capitão.