No embalo da vitória no clássico, o Paraná Clube parte agora atrás de afirmação. Hoje, diante do Rio Branco às 18h30, no Durival Britto, é vencer ou vencer. Com 14 pontos e na oitava colocação, o Tricolor só depende de suas forças para se manter na zona de classificação para a próxima fase do Campeonato Paranaense.

A meta é usar as três rodadas para embalar o time. Ante o desesperado Leão da Estradinha, o time de Wagner Velloso terá o mesmo posicionamento da última partida, apesar das mudanças forçadas.

Sem João Paulo e Fabinho, suspensos, o treinador confirmou as entradas de Kleber e Edu Silva. Mesmo com a troca de um zagueiro por um meia, Velloso antecipou que a idéia é manter a mesma estrutura tática utilizada com sucesso frente ao Coritiba.

“Estou procurando mexer o mínimo possível. Não tivemos tempo para treinar e a ideia é repetir o que fizemos. É claro, com alguns ajustes”, disse Velloso. Com a presença de Kleber no meio-de-campo, o técnico recua o volante Edimar para a função de líbero.

“Sei que o Agenor vinha jogando assim em alguns jogos, mas quero ele no meio-de-campo”, justificou Velloso.

Na teoria, o técnico acredita que o Rio Branco apesar do desespero vai se segurar na defesa, para jogar em eventuais erros do Paraná.

“Temos que estar muito atentos na marcação, para não dar o contra-ataque pro adversário”.

Na defesa, Élton foi deslocado para o lado direito, como já ocorrera na reta final do clássico. Com um volante posicionado como líbero, Velloso também pretende avançar as linhas de marcação, para pressionar o time parnanguara.

A manutenção da mesma postura tática visa também dar liberdade aos alas, aproveitando o grande momento de Murilo. Eficiente no apoio e se apresentando até para finalizações, o ala-direito vem sendo o jogador mais regular do Paraná na temporada.

“Esse grupo tem qualidade. Aos poucos, a gente vai processando os ajustes necessários para que a equipe consiga uma regularidade do início ao fim dos jogos”, comentou Velloso.

Nessa tarefa, o meia Lenílson tem papel decisivo. Principal nome da equipe, o jogador acredita que uma sequência de bons resultados colocará o Paraná na disputa do título.

“O astral já é outro depois da vitória no clássico. Mas, temos que manter a mesma pegada”, avisou o meia. Lenílson foi poupado dos minutos finais do coletivo de ontem dando lugar a Éverton pois vive ainda um processo de recuperação da lesão que o tirou de quatro jogos. “Tivemos um jogo muito disputado e num campo pesado. Então, é preciso ter cautela. Quero todos inteiroÝs para esta reta final, onde decidiremos a nossa sorte na competição”, arrematou Velloso, prevendo jogo duro e com poucos espaços contra o Rio Branco. “É jogo  de superação”.