Aprendendo com erros do passado, o Paraná Clube promete um 2013 muito melhor. Por isso, todas as atenções do departamento de futebol estão direcionadas para a renovação dos contratos de algumas peças-chave. O Tricolor busca evitar a “debandada” dos últimos anos, entregando ao técnico Toninho Cecílio uma base formada por muitos remanescentes, atletas promovidos da base e poucas contratações. Hoje, ainda sem definir permanências, o clube teria carências na ala-esquerda e no ataque.

“Vamos esperar os próximos dias. Está tudo bem adiantado, mas só podemos considerar a negociação finalizada quando tivermos as assinaturas nos contratos”, disse o gerente de futebol Alex Brasil, confiante nas permanências dos zagueiros Anderson e Alex Bruno, e do volante Ricardo Conceição. “São atletas de ótimo nível. Além da capacidade técnica, são líderes positivos e estão bem adaptados ao clube. Seria muito bom contar com todos eles no ano que vem”, completou.

 

Além do trio, o dirigente também tem conversas agendadas com o volante Lucas Souza e o apoiador Douglas Packer. “Devo me reunir com o Packer na sexta-feira (amanhã). Foi um jogador muito útil e que terminou o ano em alta, sendo decisivo em muitos jogos e marcando gols”, analisou Alex. Outro que deve definir permanência é o também volante Zé Luís, em fase final de recuperação, após cirurgia no joelho. Caso Alex Brasil obtenha sucesso nessas negociações, o Paraná poderá buscar somente reforços para a lateral-esquerda e para o ataque.

 

Um quadro bem diferente do que ocorreu nos últimos anos. Desde a queda, em 2008, a cada temporada o que se viu foi um monta-desmonta sem fim. Sem uma unidade de grupo, o caminho se tornou ainda mais árduo e o Paraná Clube jamais passou de um 7.º lugar na Série B. Em 2012, mesmo fechando a competição numa modesta 10ª colocação, houve mobilização e ficou no ar a sensação de que com alguns ajustes e contas em dia é possível voltar a sonhar. “Temos que ter muito critério nessa reformulação. Com algumas saídas e contratações pontuais, esperamos aumentar o nível de competitividade do Paraná”, avaliou Alex Brasil.

Na prática, o Tricolor já conta com 14 atletas com contrato em vigência. Isso sem contar Borges e Aymen, que já foram promovidos da base por Toninho Cecílio. Outros atletas do sub-20 também devem ascender ao profissional. Com isso, e as renovações previstas, a base já estaria armada. “Quando você não precisa contratar um volume grande de atletas, é mais fácil acertar. É isso que a gente pretende para 2013: errar pouco e armar uma estrutura forte no Paranaense, já de olho na Série B”, concluiu Alex Brasil.