André Dias, a única novidade.

O Paraná Clube terá apenas uma "cara nova" no jogo de amanhã, às 16h, no Pinheirão, frente ao Goiás. Isso em relação a reforços, já que outro jogador pouco conhecido da galera tricolor está confirmado no time, que estréia no Brasileirão sem um grupo formado. O técnico Lori Sandri vai apostar em Da Silva na função de líbero. Não, não se trata de uma contratação de última hora. Formado nas categorias de base do clube, Albadilon, atendendo orientação da comissão técnica, decidiu adotar seu sobrenome a partir de agora.

"Meu nome é mesmo diferente e às vezes isso pode atrapalhar", comentou o jogador. Albadilon da Silva Carvalho, 20 anos, foi um dos destaques do tricolor na disputa da última edição da Copa São Paulo de Juniores. "A oportunidade está surgindo e não quero desperdiçar. A primeira divisão reúne os melhores jogadores do Brasil", disse. Da Silva vai ser peça-chave no esquema tático adotado por Lori Sandri, que não esconde a preferência pelo 3-5-2. "Muitos times jogam nesse sistema. Se você dispõe da alas ofensivos, o time não fica excessivamente cauteloso. Muito pelo contrário", afirmou o técnico.

Para assegurar ritmo pelos lados do campo, o Paraná conta com Vicente, que mais uma vez ganhou a disputa com Edinho. Na direita, não será possível contar com Parral, que veio da Portuguesa Santista. Sem conseguir se recuperar de uma lesão no joelho esquerdo, ele participou de apenas dois treinos com bola e não tem como estrear e a opção será a escalação de Alex.

A única novidade, portanto, será André Dias no ataque. O jogador, formado nas categorias de base do Mirassol, teve uma passagem pelo Santos, antes de se transferir para o futebol russo. "Estou feliz com essa oportunidade. Sabemos que reforços estão sendo contratados, mas treinamos forte durante as últimas semanas e não vamos decepcionar", comentou. André Dias, 24 anos, formará com Renaldo, o novo ataque do Paraná.

Independente do processo de reformulação do grupo, Lori Sandri alertou jogadores para a importância de uma estréia positiva. ?Os jogadores que estão chegando terão que mostrar nos treinos que merecem uma vaga no time. Ninguém tem cadeira cativa.? Com esta filosofia, o treinador tenta manter todos mobilizados para o jogo, acreditando que apesar do insucesso no estadual, muitos jogadores podem dar a volta por cima no brasileiro.