O Paraná Clube faz hoje, às 20h30, no Romeirão, em Juazeiro do Norte-CE, mais uma partida decisiva na corrida pelo acesso. Para atingir seu objetivo ainda nesta temporada, o time do técnico Guilherme Macuglia terá que sustentar um equilíbrio extremo até o fim da competição. Em tese, precisa de nove vitórias ao longo das treze rodadas que restam na Série B. Nesta sequência de confrontos, terá pela frente concorrentes diretos e alguns clubes ameaçados pela degola. E será uma maratona, a partir de hoje, até a 29.ª rodada, o Tricolor fará um jogo a cada três dias.

É o caso do duelo desta noite. O Icasa-CE ocupa a 16.ª posição e tem só dois pontos de vantagem sobre a temida zona do rebaixamento. Para seguir vivo na disputa, o Tricolor não pode perder. Mais do que isso: como a distância para o G4 é de 8 pontos, somente vencendo fora de casa o sonho do acesso se sustentará. Evitando projeções, Macuglia mira jogo a jogo e aposta na manutenção da mesma formação da última jornada para seguir invicto à frente do Paraná.

Fora de casa, comissão técnica e jogadores têm a intenção de repetir a mesma estratégia utilizada frente ao Náutico: marcação pressão e precisão nos arremates de longa distância. Até aqui, nesta Série B, sempre que saiu na frente no placar o Paraná conseguiu um bom resultado. Por conta disso, o quarteto mais avançado Packer, Henrique, Dinelson e Hernane é orientado a arriscar nos chutes de fora da área. Além deles, o Paraná conta ainda com a canhota de Itaqui, responsável pelo gol que abriu caminho para a vitória sobre o Nàutico. “É a minha característica. Fui feliz na estreia e espero que possa repetir a dose”, disse o jogador.

Apesar da versatilidade além de atuar na marcação e auxiliar na criação, Itaqui também joga na lateral , ele admite que a prioridade é dar proteção à zaga. “Eu e o Maycon (Freitas) temos como prioridade dar um fôlego para nossos zagueiros. Mas nosso trabalho ficou facilitado na última partida, porque os meias e atacantes também marcaram muito”, lembrou.

É o chamado espírito coletivo, que o Paraná deu sinais de ter recuperado após um longo período de oscilações, o que determinou uma queda contundente na tabela de classificação da Segundona. “O Paraná ficou um bom tempo no G4. Agora, temos que recuperar essas posições. É uma caminhada longa, mas vejo que este grupo está querendo e é possível”, destacou o lateral-direito Marquinho. “Nesse momento, não dá tempo pra treinar muito. O jeito é ter o jogo do Náutico como modelo e buscar repetir aquele desempenho até o fim”, lembrou, numa referência à maratona de jogos que vem por aí.