te31050205.jpg

Goiano está escalado na
ala direita, no lugar de Thoni.

O Paraná entra hoje em campo contra o Rio Branco, às 16h, na Estradinha, com a missão de apagar o "princípio de incêndio" na Vila. Com somente quatro pontos em quatro jogos, o tricolor tem um aproveitamento de apenas 33%, o que já deixa a torcida apreensiva. Vale lembrar que há dois anos o time passa aperto para se livrar da segunda divisão estadual.

Entretanto, o técnico Paulo Campos pouco se importa com a pressão da torcida, que apupou o time impiedosamente após a derrota contra o Cianorte. Não, não trata-se de descaso com a galera tricolor. Pelo contrário, ele lamenta o fato de a partida de hoje, em Paranaguá, ser em um feriado. "É sempre importante ter a trocida com a gente." O discurso anti-pressão faz parte da estratégia motivacional do treinador. "Não deixo essa palavra entrar em campo. Vamos continuar trabalhando para classificar o time".

Justamente para manter a tranquilidade do time, Campos optou por mexer por atacado na equipe e potencializar a experiência. Aproveitando-se do desligamento do zagueiro Emerson, que foi para o Botafogo, ele deu ao time uma nova "cara" tática. No 4-4-2, cresce a responsabilidade da jovem dupla de zaga formada por Fernando Lombardi e João Paulo, ambos revelados nas categorias de base do clube.

Em contrapartida, os setores de meio-campo e ataque ganha muito mais experiência com a entrada de Axel e Renaldo, respectivamente. "Eles são tão importantes tecnicamente como pela experiência e capacidade de dar tranquilidade ao time".

O desejo do treinador esbarrou, de certa forma, na idéia do atacante Renaldo. Ídolo da torcida paranista e vice-artilheiro do brasileirão de 2003, com 30 gols, o jogador preferia esperar um pouco mais para estrear. "Tive pressa no Palmeiras, no ano passado, e não rendi o que posso. Mas estou aqui para cumprir as determinações do treinador e vou dar o melhor de mim, no momento", disse.

Paulo Campos escala "reservas"

As mudanças do Paraná para a partida de hoje não param na escalação dos experientes Axel e Renaldo. Apesar de elogiar a raça e o empenho dos jogadores, ficou bem claro que o time não agradou nem à torcida, nem ao treinador.

Melhor para a turma do banco de reservas. Os volantes Messias e Goiano e o atacante Marlon ganham a chance de começar jogando.

Messias, conhecido pelo grande poder de marcação, vai reforçar o meio-de-campo, que terá ainda dois volantes: Beto e Axel. Marlon ganhou a oportunidade ao lado de Renaldo, após o bom desempenho no decorrer das duas últimas partidas. A sua velocidade, aliada ao poder de fogo de Renaldo, é a esperança de gols do Tricolor.

Entretanto, a mudança que mais surpreendeu foi a entrada de Goiano improvisado na lateral-direita. A apresentação questionável de Thoni na última partida fez o técnico Paulo Campos apelar para o "curinga" da Vila. Desde que subiu para o profissional, há cinco anos, Goiano mostra sua faceta polivante. Volante de origem, ele não se importa de jogar na lateral-direita. "Realmente, tenho essa facilidade de me adaptar em várias posições. É bom porque tenho mais chances de jogar e conseqüentemente mais possibilidades de ser útil para a equipe", disse.

Possivelmente, pelo tempo de casa, ele seja um dos jogadores com maior identidade com o time da Vila. "Estou há muito tempo no Paraná e tenho uma ligação muito forte com o clube. Talvez por isso eu sinta tanto essa situação ruim do time. Mas já passamos por várias turbulências e vamos nos sair bem dessa também. Com todo respeito ao time do Rio Branco, vamos em busca de uma vitória."

CAMPEONATO PARANAENSE

Local: Nélson Medrado Dias (Estradinha)
Horário: 16h
Árbitro: Carlos Jack Rodrigues Magno
Assistentes: Rogério Carlos Rolim e Edson Redolfi

Rio Branco x Paraná

Rio Branco: Márcio Vieira; Vlademir, Dezinho, Referson e Erminho; Tião, Roberto, Edmar e Ratinho, Thiago e Ednaldo Técnico: Val de Mello

Paraná: Flávio; Goiano, Fernando Lombardi, João Paulo e Edinho; Beto, Messias, Axel e Wilian; Marlon e Renaldo Técnico: Paulo Campos