Goiano e Fabino foram liberados
e Otacílio pode armar o Tricolor
com mais pegada no meio.

A marcação eficaz no meio-de-campo é o ponto de sustentação do Paraná Clube para o jogo de amanhã (20h30), frente ao Santos, na Vila Belmiro.

O técnico Otacílio Gonçalves confirmou a presença de três volantes para “quebrar a velocidade” do jovem time paulista. A formação já fora testada na semana passada e oficializada no coletivo de ontem à tarde, quando já pôde contar com os três jogadores – o lateral Fabinho, o volante Goiano e o atacante Márcio -que estavam em tratamento no departamento médico.

Esta concepção tática permite ao Tricolor uma variação do 4-4-2 para o 3-5-2 com o simples recuo de um dos volantes para a condição de terceiro zagueiro. “Já utilizamos esta situação em jogos anteriores”, lembrou Sidnei, que volta ao time após cumprir suspensão, assim como o zagueiro Cristiano Ávalos. Com a opção por três volantes, Otacílio Gonçalves sacou o meia Alexandre. Após três jogos, o técnico reconhece que Alexandre rende mais como atacante. “Por isso, estamos armando um novo setor de criação, apostando do Émerson”, explicou.

O rendimento de Émerson, soltando-se do sistema de marcação para o ataque, será decisivo para que o Paraná não fique muito atrás. “Não podemos só esperar o adversário. Com a bola, é preciso jogar”, alertou Goiano. O novo setor de criação terá, assim, Émerson e Ronaldo. Mesmo sem ter conseguido “brilhar” nos jogos contra Portuguesa e São Paulo, Ronaldo é um jogar muito aplicado taticamente e fundamental no esquema aplicado por Otacílio. “Ele, às vezes, não aparece para a torcida, mas é um operário”, disse o técnico paranista.

Após dez dias de “folga”, Otacílio sabe que seu time não pode apenas se preocupar em jogar bem. “Necessitamos de pontos”, sentenciou. Com a parada, o Tricolor caiu para a 24.ª posição. Porém, o rendimento da equipe é idêntico ao de outras seis equipes. Com 33,33%, o Paraná está com o mesmo aproveitamento de Paysandu, Cruzeiro, Grêmio, Goiás, Internacional e Flamengo. Está à frente de Bahia (26,67%) e Figueirense (13,33%). A parada, que poderia ser ruim, teve aspectos positivos. Afinal, a “folga” permitiu a recuperação de vários jogadores que estavam no departamento médico.

O atacante Márcio participou de todo o coletivo e fez um dos gols da vitória sobre os reservas (2×0) – o outro foi marcado por Maurílio. “Não vejo a hora de marcar meu primeiro gol no Brasileirão. Precisamos de pontos e só chegaremos lá fazendo gols”, disse Márcio. No Nacional, Maurílio é o artilheiro da equipe é Maurílio, com três gols.

O Santos tem problema fora?

(Lancepress!)

– O meia Renato, do Santos, não acredita que o fato de o time ser muito jovem tenha alguma influência nos resultados que o Peixe vem conseguindo fora de casa no Campeonato Brasileiro. Até agora, os paulistas conquistaram um empate e sofreram uma derrota fora de seus domínios. No último domingo, o alvinegro foi ao Maracanã e ficou no 1 a 1.

“Todos jogarão normalmente. Não acho que o time tenha sentido a pressão de jogar no Maracanã. O próprio Robinho não deixou de jogar da maneira que sabe e partiu para cima dos adversários”, disse.

“Esperamos que o Santos consiga logo vencer um jogo longe da Vila. Até a imprensa local está nos cobrando muito uma vitória fora de casa”, completou.

A próxima partida do Santos no Campeonato Brasileiro está marcada para amanhã, às 20h30min, na Vila Belmiro. O Peixe receberá o Paraná Clube em jogo válido pela sexta rodada do Brasileirão.