Marquinhos ficou isolado no
meio-de-campo e sem tempo para
ajudar o time na recuperação.

Em um jogo eletrizante, o Paraná Clube foi derrotado pelo Fortaleza por 5 a 3, ontem à tarde, na capital cearense. Com o resultado negativo, o Tricolor paranaense adiou para a próxima rodada o “carimbo” na vaga para a Copa Sul-Americana de 2004. No sábado, o time da Vila pega o Corinthians, em São Paulo.

O Fortaleza surpreendeu o Paraná logo aos 50 segundos, com a colaboração do goleiro Flávio. Mazinho Loyola, que já vestiu a camisa paranista, recebeu pela direita e chutou da linha de fundo. A bola foi colocada para dentro pelo goleiro tricolor, que saiu mal. Foi o primeiro gol de Mazinho no Brasileirão.

Com o susto logo no início do jogo, o Paraná teve que mudar seus planos de jogar nos contra-ataques. Almejando os três pontos que poderiam garantir o time na Sul-Americana, o Tricolor partiu para o ataque, tornando-se vulnerável na defesa.

Aos 29 minutos, Sérgio invadiu a área e Fernando Miguel não teve outra opção senão fazer a falta na área. Na cobrança, Vinícius converteu, ampliando a diferença.

Desorganizado em campo, o Tricolor não conseguia ser objetivo e nas poucas vezes em que isso ocorria, o goleiro Jeferson garantia o resultado parcial. Valendo-se da ansiedade do time paranista, o Fortaleza aproveitou para marcar mais um. O zagueiro Cristiano Ávalos falhou ao tentar tirar uma bola e a colocou nos pés de Rena, que não desperdiçou.

Reação

O técnico Saulo de Freitas, descontente com rendimento de sua equipe, optou por colocar em campo o garoto Éverton, que tem sido o talismã do time quando entra no decorrer dos jogos. Mas antes do Tricolor acordar para o jogo, o Fortaleza marcou mais um. Em mais uma bobeada da zaga, o zagueiro Fernando girou o corpo e chutou forte, decretando os 4 a 0.

Com o meio-de-campo mais articulado, o Paraná teve oportunidade de diminuir aos 12 minutos, quando Éverton foi derrubado na área. Renaldo converteu e permitiu que o Tricolor respirasse um pouco. Mas por apenas dois minutos. Aos 14, Rena carimbou a trave e na volta, Mazinho fez mais um.

A resposta paranista veio aos 18 minutos, quando Caio fez bela jogada individual, tirando a defesa adversária para dançar. O chute forte não deu chance de defesa para Jeferson.

Animado com a possibilidade de buscar o empate, o time Tricolor parecia outro e dava sufoco para a defesa cearense. Tanto que em um lance aos 36 minutos, Fernando não teve outra opção senão derrubar Éverton na área. Mais uma vez, Renaldo efetuou a cobrança e marcou o terceiro do Paraná. Entretanto, era tarde demais para buscar um resultado melhor e a partida terminou em 5 a 3 a favor dos cearenses.

Sócios vão escolher novo presidente

A eleição do novo presidente do Paraná Clube para o mandato 2004/2005 vai entrar para história. Pela primeira vez desde o nascimento do Tricolor os sócios é quem vão decidir quem será o grande comandante do clube. O novo estatuto tricolor vai de encontro à exigência do novo Código Civil brasileiro.

Em uma votação realizada no último sábado, na sede da Kennedy, 897 sócios do Paraná votaram a favor das eleições “diretas”, contra 5. No plebiscito, ainda houve um voto nulo e um voto em branco. “Votaram sócios que estão no quadro há mais de seis meses, maiores de 18 anos e com as mensalidades em dia”, explicou o diretor de relações públicas, Luiz Carlos Casagrande. Esses mesmos sócios terão direito de escolher o presidente do clube no dia 19 de dezembro, quando o pleito paranista acontece.

Por enquanto, a disputa presidencial ainda não tem chapas oficializadas. No terreno das especulções, José Carlos de Miranda, que bateu de frente com o atual presidente Ênio Ribeiro no início do ano, e José Alves Machado têm nomes fortes. “Mas tudo ainda está no campo das especulações”, diz Casinha. Ênio Ribeiro, que tem o direito de tentar a reeleição, ainda não se pronunciou sobre o assunto “eleições”.