O Paraná Clube poderá ter um gringo no seu ataque. O argentino Juan José Morales, 30 anos, já está treinando no Ninho da Gralha, em Quatro Barras. A diretoria não confirma a negociação, mas o vice presidente Paulo César Silva nunca escondeu o desejo de contar com um atleta com essas características, em especial para a disputa da Série B do Brasileiro. “O jogador está realmente treinando com a gente. Mas foi um pedido de alguns amigos, apenas para ele manter a forma”, despista Paulo César Silva.

Com experiência de Libertadores da América, “Jota Jota” viveu o melhor momento de sua carreira entre 2009 e 2010, defendendo a Universidad Católica, do Chile.Casado com uma curitibana, Morales não esconde o desejo de atuar no futebol brasileiro. Ano passado, esteve perto de acerto com o Coritiba, mas houve problemas burocráticos e o jogador acabou se transferindo para o Atlético Venezuela. Há ainda a possibilidade de que o atacante vá para o futebol equatoriano. Ele tem proposta do Deportivo Quito, a pedido do técnico Rubén Darío Insúa.

No mês passado, Paulo César Silva já havia dito, no jantar de aniversário do clube, que gostaria de contar com um atacante com este perfil. “Gosto do estilo dos atacantes argentinos, que não desistem nunca”, confirmou o dirigente. O fato do Paraná contar, neste momento, apenas com Reinaldo como “finalizador” faz aumentar a cotação de Morales. “Realmente precisamos de mais um jogador de frente. Estamos procurando essa peça. Mas, no momento, não posso falar nada sobre o Morales. Quem sabe para o Brasileiro”, declarou o dirigente.

Entre os 26 jogadores do atual elenco, além de Reinaldo, o técnico Toninho Cecílio conta com outros três jogadores de ataque: Luisinho (que é um meia-atacante), Paulo Renê e Aymen. O próprio treinador, diante desse quadro, confirmou que pretende, neste início de temporada, adaptar o francês Aymen à condição de atacante de área. “Ele tem bom porte físico e é ágil. Vamos ver como ele se sai nessa função”, disse o treinador, que no ano passado teve que usar Arthur como atacante mais avançado, diante da inoperância dos centroavantes de ofício do grupo. “Para atingirmos uma condição de equilíbrio, precisamos de mais um finalizador”, avisa Cecílio.

Caso a negociação com JJ Morales avance, essa carência estaria, ao menos na teoria, sanada. Morales iniciou sua carreira no San Martín de Tucumán-ARG. Defendeu outros três clubes argentinos, antes de chegar ao Quilmes, em 2008. Fez 16 gols em 25 jogos, média de 0,64 gol/jogo, o que o levou ao Universidad Católica do Chile, onde permaneceu por duas temporadas. Além de “manter a forma” no Ninho da Gralha, o jogador está concentrado com os demais atletas do grupo em um hotel em Quatro Barras.