Duelo entre Maldonado e Ronaldo
foi quente. São Paulo meteu 3 a 2.

O Paraná Clube deu um show de superação na partida contra o São Paulo, ontem à tarde, no Couto Pereira. No entanto, todo o esforço não foi suficiente para construir um resultado positivo e o Tricolor saiu de campo com uma derrota amarga por 3 a 2. Com o resultado, o São Paulo confirmou a liderança na competição, com nove pontos, e o Paraná caiu para a 18ª colocação.

O torcedor que compareceu ao Couto Pereira pôde acompanhar um jogo de dois extremos: na primeira etapa, sob comando do habilidoso Kaká, o São Paulo pressionou até conseguir um resultado expressivo. Aproveitando-se da falta de entrosamento do sistema defensivo paranista – Xandão era a novidade no lugar do suspenso Cristiano Ávalos – o time paulista distribuía as bolas sem muita dificuldade e acabou traduzindo essa facilidade em gol aos 18 minutos. Kaká invadiu a área deixando dois marcadores para trás e chutou firme, sem chance para Marcos.

Com o poder de armação podado pelo trabalho abaixo da média de Ronaldo e Alexandre, destaques no setor de criação das partidas anteriores, o tricolor paranaense não fazia a concexão entre defesa e ataque. E o castigo vinha em jogadas harmoniosas do adversário. Aos 32 minutos, em um desses lances, Luís Fabiano lançou da esquerda e a bola sobrou para Júlio Batista, livre de marcação, fazer os 2 a 0.

Reação

Após o bate-papo no vestiário, os jogadores paranistas voltaram mais altivos e começaram a esboçar uma reação. Mas aos 8 minutos, Reinaldo assinalou o gol que para muitos, significava o golpe de misericórdia na equipe paranista. Em um erro de passe de Xandão, Kaká serviu Reinaldo, que só colocou para dentro.

Com a expressiva vantagem, o São Paulo recuou e o experiente Otacílio Gonçalves tirou duas cartas da manga: Tiago e Waldir. “Era natural o recuo do adversário e nada melhor que lançar dois jogadores habilidosos, que têm a velocidade como principal aliada”, explicou o treinador.

E as substituições mudaram o panorama do jogo. Com toques rápidos, Tiago e Waldir começaram a atasanar a defesa são-paulina. A pressão começou a surtir efeito aos 26 minutos, quando em uma jogada de linha de fundo de Waldir, Maldonado interceptou a bola na área. Na cobrança de pênalti, Maurílio diminuiu. Alarmados, os são-paulinos recuaram ainda mais e formaram um verdadeiro paredão defensivo. Mas não suficiente para impedir o golaço de Émerson, aos 42 minutos. O volante recebeu no meio-de-campo, carregou em três passadas e chutou de longe, alcançando o ângulo esquerdo de Rogério. A pressão continuou até o final, mas a sorte acabou escolhendo a defesa são-paulina, que resistiu até o apito final do árbitro. “Pelo que fizemos no segundo tempo, merecíamos um resultado melhor. Mas pelo menos ficou a lição de que quando não nos deixamos abater, tudo é possível”, desabafou o atacante Waldir.

O próximo compromisso do Paraná é só daqui a dez dias, contra o Santos, na Vila Belmiro. Para esse jogo, o técnico Otacílio Gonçalves poderá contar com o retorno do zagueiro Cristiano Ávalos e do volante Sidnei. Em contrapartida, perdeu ontem o lateral-direito Luís Paulo, com o terceiro amarelo e fica em suspense em relação a Márcio, que machucou o lombar e foi removido para o hospital ao término do jogo.