O meia-atacante Maicosuel, com apenas 45 minutos em campo na sua reestreia com a camisa do Paraná Clube, na derrota por 1×0 para o Ceará, no último domingo, na Vila Capanema, já provou que é capaz de dar um novo rumo para o pior ataque do Campeonato Brasileiro. Mesmo ainda sem o ritmo de jogo ideal, que ficou visível no duelo contra o Vozão, o jogador conseguiu ditar um outro ritmo ofensivo ao time paranista e, dos seus pés, saíram as principais chances de empate.

Assim, a partir de agora, Maicosuel passa a ser a nova esperança do Tricolor no Brasileirão. A tendência, assim, é de que o atleta, mesmo ainda sem condições de encarar 90 minutos em campo, já no duelo diante do Botafogo, neste domingo, na Vila Capanema, inicie a partida como titular. Tudo isso para fazer o Paraná Clube reagir na competição nacional, já que é o lanterna e tem o pior ataque, com apenas oito gols marcados em 17 partidas disputadas.

Depois da derrota para o Ceará, Maicosuel não escondeu o incomodo com mais uma derrota e mais uma atuação ruim da equipe. Não foi nem de perto a reestreia que ele sonhava fazer com a camisa paranista.

“É um momento complicado. Não foi como eu queria. Sabíamos que era um jogo importantíssimo, mas a gente não conseguiu pontos. Vida que segue e a gente só vai conseguir sair dessa situação trabalhando. É o que a gente vem fazendo. Os resultados não estão acontecendo, mas temos fé que vai começar a acontecer”, apontou.

Se na sua primeira passagem pelo Paraná Clube, há 12 anos, Maicosuel era ainda uma promessa do futebol brasileiro, agora ele chega com mais bagagem. Além da sua qualidade indiscutível em campo, o jogador passa a agregar no Tricolor com a sua experiência. Mesmo deixando de lado qualquer responsabilidade a mais neste momento, o meia já assumiu um papel de liderança dentro do grupo comandado pelo técnico Rogério Micale.

“O torcedor tem que protestar. Se eu estivesse no lugar deles eu também ia. Estamos em último, mas agora é ter cabeça, paciência e assumir a responsabilidade. É hora de trabalhar e parar de falar. Tudo o que tinha que ser falado já foi falado. Agora é colocar em prática dentro de campo, jogar e ganhar as partidas que tem que ganhar”, avisou o meia.

Maicosuel está na lista de mais de 30 contratações feitas pelo clube em 2018. O presidente Leonardo Oliveira admitiu que foram muitos os erros na hora de reforçar o time paranista e, para minimizar um pouco essa falha na montagem do elenco, o atleta chegou com status pouco visto até aqui. Até então, o Tricolor fez muitas apostas, mas o jogador, no seu retorno ao clube, foi uma contratação necessária e que deve encaixar bem na luta do clube para escapar do rebaixamento.

Confira a classificação completa do Brasileirão

E mais importante a partir do pedido de rescisão de contrato de Carlos Eduardo. O meia, principal jogador paranista no Campeonato Paranaense, deixou a Vila Capanema por acreditar “que não iria ajudar o Paraná naquilo que ele precisa”, como a nota oficial do Tricolor anunciou. Dono da camisa 10, Cadu deixou o clube após 16 jogos e dois gols.

Para conseguir permanecer na primeira divisão, o Paraná Clube precisa aumentar seu poder de fogo, já que fez apenas oito gols em 17 partidas neste Brasileirão. Além de Maicosuel, recentemente chegaram os meias Rodolfo e Nádson e o atacante Rafael Grampola. Todos já fizeram sua estreia com a camisa paranista, mas o ataque segue ineficiente e com apenas um gol feito nos cinco jogos realizados depois da parada para a Copa do Mundo.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!