Claudinei Oliveira mal chegou ao Paraná Clube e já tem uma ‘bomba‘ pela frente no Campeonato Brasileiro. O Tricolor encara neste domingo (19), a partir das 11h, no Beira-Rio, o embalado Internacional, em Porto Alegre. Os gaúchos estão em terceiro na classificação do Brasileirão e prometem ir pra cima dos paranaenses em busca dos três pontos que possam deixá-los ainda mais no topo. Na parte oposta da tabela, o Tricolor amarga a lanterna da competição com somente 14 pontos em 18 rodadas. Até aqui, o time venceu apenas em três oportunidades na competição, perdeu 10 jogos, e para que ainda tenha chance de fugir da degola, precisa reagir urgentemente. Mas os desafios não param por aí. Na sequência, o Paraná recebe o São Paulo, líder da competição, vai ao Itaquerão encarar o Corinthians, e depois viaja pra Salvador pra jogar uma espécie de “final de Copa do Mundo” contra o Sport.

O novo comandante chegou a Curitiba na última quinta-feira, e vai ter que contar – e muito – com o trabalho psicológico com seu elenco, já que, até esse primeiro desafio, o duelo com os colorados, devem ser realizados apenas dois treinos físicos, insuficientes para que ele possa implantar suas ideias de trabalho.

Rubens Minelli fez história no Paraná Clube. Foto: Antonio Milena/AE.
Rubens Minelli fez história no Paraná Clube. Foto: Antonio Milena/AE.

 

“Vi alguns jogos do Paraná. O perfil de cada jogador você só vai conhecer no dia a dia. Precisamos, o quanto antes, recuperar a confiança desses atletas, pois sei que não é fácil ficar tanto tempo na parte de baixo da tabela”, comentou o treinador, que desde quando teve seu retorno confirmado, juntou-se a um grupo seleto de técnicos que comandaram o Paraná Clube em três diferentes oportunidades. Apenas Rubens Minelli, Otacílio Gonçalves, Gilson Kleina e, agora, Claudinei Oliveira têm essa marca.

Minelli esteve à frente do Tricolor nos anos de 1990, 1994 e 1997, enquanto Gilson Kleina passou pelo clube em 2003, 2006 e 2007. Claudinei já esteve na Vila Capanema em 2014, 2016. Otacílio Gonçalves, por sua vez, treinou o Paraná em quatro oportunidades – 1991, 1995, 1998 e 2002.

Otacílio Gonçalves, o "Chapinha", também é outro nome que a torcida paranista conhece bem. Foto: Arquivo.
Otacílio Gonçalves, o “Chapinha”, também é outro nome que a torcida paranista conhece bem. Foto: Arquivo.

Ainda que seja um velho conhecido na Vila Capanema, esta será a primeira oportunidade de Claudinei no comando do Paraná Clube na Série A. Nas passagens anteriores, ele conduziu o time na disputa da Série B. Na temporada de 2014, o treinador chegou para a disputa da Segundona e esteve à frente do Tricolor por 22 jogos, sendo dois deles pela Copa do Brasil. Em 2016, Claudinei iniciou o trabalho já na largada da temporada, como técnico do time no Paranaense e depois no início do Brasileiro, totalizando 27 partidas.

Relembrar é preciso!

O confronto terá também ares de ‘revanche‘, já que no ano passado, com as duas equipes na Série B, o Internacional perdeu para o Paraná Clube, por 1×0, em plena Arena da Baixada, em uma noite memorável, em que a torcida paranista quebrou o recorde de público em um jogo de futebol no estádio do rival Atlético. No dia 03 de outubro de 2017, 39.414 pessoas presentes na Arena da Baixada viram o gol do zagueiro Iago Maidana, de cabeça, confirmar a vitória do Tricolor.

Em situações diferentes dez meses depois, e ambos na Primeira Divisão, desta vez, quem vai dar as cartas é o Colorado, o que deve representar um desafio ao Tricolor.

Confira a tabela e a classificação do Brasileirão!

Ainda que a situação seja crítica e deva permanecer assim até o fim da temporada, Claudinei, se mostrou feliz com o convite do Paraná Clube para retornar ao time. O técnico comentou que tentará vencer as adversidades contando com o empenho de todo o grupo para que em dezembro, quando o Brasileirão acabar, a sorte do Paraná Clube seja outra.

“É sinal de que algum legado positivo eu deixei. Estou feliz com o convite, sabendo que temos uma árdua missão pela frente. Mas, sei também que os objetivos só serão alcançados com a união de todos, jogadores, comissão técnica, diretoria e torcida”, finalizou.

No ano passado, torcida do Paraná quebrou recorde na Arena da Baixada. Foto: Albari Rosa.
No ano passado, torcida do Paraná quebrou recorde na Arena da Baixada. Foto: Albari Rosa.