A saída de Claudinei Oliveira, confirmada nesta terça-feira (16), mantém uma triste rotina no futebol do Paraná Clube. Desde 2014 o Tricolor faz quatro trocas de treinador por temporada. Com a chegada do futuro técnico – efetivo ou interino -, será fechada o número de 20 profissionais no posto (com repetições de nomes). Mesmo que algumas mudanças não tenham sido por resultados ruins, a falta de continuidade mostra a dificuldade do Paraná se estabilizar.

+ Entenda: Saiba os motivos que levaram Claudinei a acertar com a Chapecoense

2014

Ricardo Drubscky comandou o time em apenas um jogo. Foto: Felipe Rosa
Ricardo Drubscky comandou o time em apenas um jogo. Foto: Felipe Rosa

Depois de ficar boa parte da temporada 2013 com Dado Cavalcanti, o Tricolor começou o ano seguinte com Milton Mendes no comando. Ele deixou a Vila Capanema ainda com o Campeonato Paranaense em andamento, em março de 2014. Veio então Ricardo Drubscky, que comandou o time em apenas uma partida, pela Copa do Brasil. Claudinei Oliveira foi o substituto, em sua primeira passagem pelo clube, que terminou em setembro, quando aceitou uma proposta do Atlético. O ex-ídolo Ricardinho, hoje comentarista, foi o escolhido para fechar o ano.

+ Favorito: Cláudio Tencati é o “plano A” do Paraná Clube

2015

Fernando Diniz esteve no Tricolor em 2015. Foto: Aniele Nascimento
Fernando Diniz esteve no Tricolor em 2015. Foto: Aniele Nascimento

Mas Ricardinho não emplacou 2015, pois o Paraná começou a temporada com Luciano Gusso – que nesta terça-feira deixou o clube ao lado de Claudinei. Após a mudança na diretoria e a entrada do grupo “Paranistas do Bem”, Gusso foi demitido e Nedo Xavier foi contratado. Não durou muito, saiu em julho para a entrada de Fernando Diniz. Uma mudança radical de filosofia de jogo, como todos sabem, também não seguiu por muito tempo, e no final de setembro Diniz foi demitido, com o auxiliar Fernando Miguel comandando o Tricolor até o final da Série B.

+ Salgado: Tricolor aumenta preços dos ingressos pro jogo contra o Flamengo

2016

Roberto Fernandes veio no final de 2016 e foi demitido antes do final da Série B. Foto: Daniel Castellano/Arquivo
Roberto Fernandes veio no final de 2016 e foi demitido antes do final da Série B. Foto: Daniel Castellano/Arquivo

Veio 2016 e Claudinei Oliveira foi o escolhido para comandar o Paraná. Acabou demitido após uma goleada de 5×1 imposta pelo Náutico na Segundona. Também saiu rompido com o então dirigente Durval Lara Ribeiro. Marcelo Martelotte entrou em seu lugar e caiu em setembro depois de três derrotas seguidas. Roberto Fernandes foi o substituto, mas não conseguiu sequer terminar a Série B. Novamente Fernando Miguel foi recrutado para encerrar a competição.

+ Também na Tribuna: Atlético é denunciado por ato político

2017

Lisca, ídolo da torcida e treinador com melhor rendimento em campo. E que saiu em uma história ainda não explicada. Foto: Marcelo Andrade
Lisca, ídolo da torcida e treinador com melhor rendimento em campo. E que saiu em uma história ainda não explicada. Foto: Marcelo Andrade

O ano passado foi de trocas inusitadas, Wagner Lopes começou 2017, teve ótimos resultados e acabou deixando o clube por conta de uma proposta salarial 19 vezes maior do futebol japonês. A surpresa foi seu substituto: Cristian de Souza, que estava no Acre e acabou saindo rapidamente. Lisca então foi contratado, virou ídolo da torcida e acabou demitido após uma história ainda nebulosa de discussão e até briga com outros integrantes da comissão técnica. Matheus Costa, hoje auxiliar do Coritiba, foi convocado para comandar o Tricolor e ficou marcado como o técnico do acesso para a primeira divisão.

+ De olho: Confira a tabela e a classificação do Campeonato Brasileiro!

2018

Finalmente 2018. Wagner Lopes voltou, mas desta vez não teve êxito. Saiu ainda durante o Paranaense, sendo trocado por Rogério Micale. O campeão olímpico esteve no Paraná até a metade de agosto, quando Claudinei chegou para sua terceira passagem, que durou apenas onze jogos, sem uma vitória sequer. Agora, o futuro treinador pode emplacar uma nova marca, que o clube não repete desde a virada de 2012 para 2013 – começar a temporada com o mesmo técnico que terminou a anterior.

A lista de técnicos do Paraná Clube nos últimos anos:

2014
Milton Mendes, Ricardo Drubscky, Claudinei Oliveira e Ricardinho

2015
Luciano Gusso, Nedo Xavier, Fernando Diniz e Fernando Miguel

2016
Claudinei Oliveira, Marcelo Martelotte, Roberto Fernandes e Fernando Miguel

2017
Vágner Lopes, Cristian de Souza, Lisca e Matheus Costa

2018
Vágner Lopes, Rogério Micale, Claudinei Oliveira e…

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!