Após o presidente do Paraná, Leonardo Oliveira, ter afirmado que o clube ainda não havia recebido a segunda parcela da venda do volante Jhonny Lucas ao Sint-Truiden, da Bélgica, o agente do jogador, Umberto Riva, explicou que o atraso se deve à pandemia do coronavírus.

“É verdade que o Sint-Truiden não acionou a opção que teve para comprar a adição de 40% dos direitos econômicos de Jhonny. A principal razão disso é que o clube, como todos os outros da Europa no momento, tem dificuldades em fazer projetos e planos concretos para a próxima janela, dada a incerteza da situação”, explicou o representante da P&P Sport Management, empresa gestora do atleta.

“É muito provável que a negociação com eles vá recomeçar e que seja alcançado um acordo entre os dois clubes, mesmo após o término da opção. Mas, obviamente, no momento todas essas conversas foram adiadas para quando ficará mais claro o que acontecerá com as ligas do mundo inteiro”, completou Riva.

No entanto, o empresário ressaltou que o Sint-Truiden pode não pagar essa parcela, que venceu no último dia 29, uma vez que seria apenas um aditivo para uma futura venda. Se os belgas desistirem deste valor, o Tricolor ficaria com 50% de uma nova transferência do volante. Caso a parcela seja quitada, o time paranista teria direito a 10%.

“Isso se trata apenas de uma questão técnica. Que não muda nada para o Jhonny. Isto só será importante para ele quando houver uma transferência futura. Os direitos federativos de Jhonny permanecem 100% ao Sint-Truiden, que é o único clube que pode ter Jhonny em campo e negociar uma eventual transferência. A diferença nesse caso será apenas a porcentagem da venda futura que deverá ser paga ao Paraná, que pode ser ou 10% ou 50%”, acrescentou.

+ Cristian Toledo: Brasileirão tem que ser a prioridade do nosso futebol

Jhonny Lucas foi vendido ao Sint-Truiden em agosto de 2019, por 1 milhão de euros, mas ainda não estreou pelo novo clube. Neste período, ficou no banco de reservas em duas partidas, ambas em dezembro.

“Como acontece com a maioria dos jogadores que chegam muito jovens à Europa, ele teve um período normal de adaptação ao novo país e ao estilo de futebol que também aconteceu durante uma temporada em que o clube mudou três treinadores. Então não foi fácil para ele esse início”, disse Umberto Riva.

+ Mais do Tricolor:

+ Paraná traça estratégia pra manter receita com sócios
+ Revelado no Paraná, Giuliano comemora marca e destaca torcida pelo clube
+ Você conhece os jogadores do Paraná dos anos 90? Teste aqui!