A procura incessante da diretoria do Paraná Clube por um atacante de área é facilmente explicada. Dos 31 gols marcados pelo Tricolor nos 22 jogos realizados até agora nesta temporada, somente nove foram feitos por atacantes. Destes, a artilharia é dividida entre os centroavantes Felipe Alves, Bruno Cantanhede, Nathan e Ítalo. Porém, dos quatro, nenhum conseguiu se firmar na equipe titular paranista.

Por isso, depois da disputa do Campeonato Paranaense e nesse período até o início das oitavas de final da Copa do Brasil e da Série B do Campeonato Brasileiro, a diretoria segue atenta ao mercado. Alguns nomes de atacantes foram especulados. O que ganhou mais força nos últimos dias é o de Gilmar, que defendeu o Caxias no Campeonato Gaúcho. Além dele, os atacantes Pelézinho, do Cianorte, e Rafael Oliveira, do Botafogo-PB, também são ventilados.

A artilharia do Paraná Clube, na verdade, é bem dividida. Ao todo, 15 jogadores já marcaram pelo Tricolor neste ano. Além dos quatro atacantes, seis jogadores de meio de campo também já balançaram as redes. Outros cinco atletas da defesa também contribuíram com o time paranista e já desencantaram nesta temporada.

O goleador, até agora, é o meia Renatinho, com oito gols. O camisa 10 do Paraná, no entanto, tem seu contrato com o clube encerrando em maio e a sua permanência ainda não é certa. A diretoria está tentando a renovação, mas o interesse de outros clubes, inclusive do exterior, estão dificultando a negociação.

Na sequência da artilharia aparecem o atacante Felipe Alves e o meia Matheus Carvalho, com três gols cada. Já marcaram duas vezes o volante Alex Santana, o meia Zezinho e os atacantes Bruno Cantanhede, Nathan e Ítalo. O último, inclusive, se notabilizou no início do ano por ter dado uma lambreta em um jogo do Paranaense diante do Foz do Iguaçu, mas acabou tendo seguidas atuações ruins e não se firmou na equipe.

Outros sete jogadores do marcaram um gol cada nesses primeiros quatro meses da temporada: os zagueiros Airton, Brock e Rayan, responsáveis pelo bom desempenho defensivo do Tricolor – apenas 9 gols sofridos neste ano – , o meia Jonas Pessalli, o lateral-esquerdo Igor, o volante Gabriel Dias e o meia Guilherme Biteco.