Ídolo e um dos jogadores que mais vestiu a camisa na história do Paraná – 303 no total -, o goleiro Marcos é um dos poucos motivos que fazem o torcedor tricolor ter orgulho atualmente na Série B. Prestes a se aposentar, o goleiro de 39 anos é o principal nome do atual elenco e se não fossem as atuações seguras do arqueiro, a situação poderia ser pior.

Apesar disso, Marcos disputou apenas dez jogos na Série B. Depois de ser titular nas duas primeiras rodadas, o goleiro se machucou e, ainda sob o comando do técnico Nedo Xavier, Murilo e Wendell não se firmaram nos nove jogos seguintes.

Marcos, recuperado de lesão, voltou a ser titular justamente na estreia do técnico Fernando Diniz. Porém, teve a sua condição de titular ameaçada.

Adepto à utilização de um goleiro que saiba jogar com os pés, Diniz pediu a contratação de Felipe Alves, com quem trabalhou no Audax, e foi atendido. A partir daí, os rumores de que Marcos perderia a condição de titular aumentaram.

Porém, ele não se abateu e usou Felipe Alves para melhorar sua condição. O goleiro está participando mais dos jogos e melhorou o seu desempenho com os pés.

Poucos cadastros

Falta pouco mais de um mês para a eleição presidencial do Paraná. Mesmo assim, e mesmo sabendo da profunda importância do momento, os sócios tricolores não estão muito motivados. Os associados que quiserem direito a voto têm até o sábado para se cadastrar junto à comissão eleitoral do clube. Os cadastros podem ser feitos no próprio site do Tricolor. Por enquanto, o cenário da disputa pela presidência paranista é de esvaziamento político.

Dos cerca de quatro mil sócios que reúnem condição de voto, somente 900 estão registrados. A expectativa da comissão eleitoral, por sua vez, não vai muito além: cerca de mil sócios são esperados para as votações.

Os grupos políticos que desejarem concorrer às eleições têm até às 9h da próxima segunda para inscreverem as chapas. “Até o momento não temos nenhum chapa registrada, o que é absolutamente normal”, argumenta Geraldo Luiz Farias, presidente da comissão.

Atual presidente do Paraná, Luiz Carlos Casagrande, o Casinha, garante não ter interesse em concorrer ao cargo nas próximas eleições. O mandatário, porém, assume querer seguir no clube. “Não tenho aspiração de ser candidato. Embora tenha várias pessoas pedindo para que eu participe”, assegura. (Julio Filho)