Apesar de o Paraná Clube ter vivido recentemente alguns momentos conturbados na Série B do Campeonato Brasileiro, o presidente Leonardo Oliveira acredita que, de forma geral, a equipe foi bem na primeira metade da competição. O Tricolor inicia nesta sexta-feira (30) sua trajetória no segundo turno da disputa, diante do Vila Nova, a partir das 19h15, na Vila Capanema. Com 28 pontos, o time paranista é o sétimo colocado na tabela e para seguir vivo na missão de retornar ao G4, o mandatário disse confiar no trabalho do técnico Matheus Costa.

+ Leia também: Tricolor tem campanha melhor do que do ano do acesso

O Paraná Clube passou por momentos distintos na Segundona. Após emendar cinco vitórias e chegar à vice-liderança, amargou sete jogos sem ganhar e foi se distanciando da área de classificação. Mesmo com os altos e baixos, acabou o turno apenas três pontos atrás do Sport, o quarto na tabela. Por isso, o mandatário não viu a performance como desastroso.

+ Mais na Tribuna: Paraná recebe o Vila Nova de olho em recomeço na Série B

“Temos que melhorar o desempenho em casa. Mas, na minha avaliação, nós não fizemos um primeiro turno tão catastrófico. A sequência de sete jogos sem vencer talvez tenha trazido essa avaliação. Mas é uma campanha que mostra que estamos bem e próximos do G4”, disse ele, fazendo referência aos pontos que a equipe deixou escapar dentro da Vila Capanema.

+ TRIBUNA ESTREIA SEU PODCAST DE FUTEBOL PARANAENSE! SAIBA COMO BAIXAR E OUVIR O PODCAST DE LETRA!

Os resultados dentro de casa poderiam, de fato, ter feito a diferença. Os placares de 0x0 com Guarani, Oeste, América-MG (então lanterna da disputa), Atlético-GO e Criciúma custaram pontos importantes. Além disso, o Tricolor perdeu por 1×0 para o Sport no Durival Britto, na 12ª rodada. “Precisamos apenas fazer os pontos em casa para embalar no rumo certo”, destacou.

+ Confira a classificação completa da Série B!

No ano em que conquistou o acesso, em 2017, o time paranista fechou o primeiro turno somando 27 pontos, na nona colocação, ou seja, posição inferior à atual. Por isso, Oliveira defendeu o treinador das críticas.

“Quando fizemos as cinco vitórias, ele era o melhor técnico do mundo, e quando não vencemos, não acredito que foi o pior. Temos que ter um equilíbrio”, finalizou o presidente.