O presidente do Paraná Clube, Leonardo Oliveira, aproveitou a reunião com cerca de 300 torcedores, sócios e não sócios, na sede da Kennedy, no último sábado, para explorar uma série de temas de interesse aos tricolores. O clima foi calmo, com Oliveira aproveitando a oportunidade para falar sobre vários assuntos da atualidade paranista. Confira abaixo os principais tópicos.

Saída de Marcos

Após o ex-goleiro Marcos anunciar sua saída do Paraná, afirmando ser um “diretor figurativo” e revelando o mau ambiente no clube, Oliveira atribuiu a saída do ídoloa problemas técnicos.

+ Leia mais: Paraná Clube encara parada obrigatória em meio à crise

“Ao contrário de como jogador, o Marcos não conseguiu desempenhar um bom trabalho como diretor de futebol”, alegou. Sobre as declarações, Oliveira disse que faltou respeito por parte do ex-goleiro. “O Paraná Clube precisa ser respeitado. Ninguém é insubstituível e nenhum ídolo será maior que a instituição”.

Marcos deixou o clube no último mês. Foto: Jonathan Campos.
Marcos deixou o clube no último mês. Foto: Jonathan Campos.

Andrey

Outro problema que abalou o Paraná foram as ameaças de morte ao jovem Andrey após uma foto sua ainda criança com a camisa do Athletico. O jogador, inclusive, foi tema indireto na fala de Oliveira. Ao ser perguntado sobre que atitudes tomar contra atletas que desrespeitam a torcida, caso de Andrey, que fez gestos obscenos após a derrota para o Cianorte, Oliveira respondeu, sem citar o nome do jogador.

+ Confira também: Paranista infiltrado na torcida do Coxa pede saída de Dado Cavalcanti!

“O jogador é um funcionário do clube, há um contrato e se ele não for rescindindo é necessário pagar. Não podemos ficar com mais dívidas, então nessas situação é melhor se acalmar e agir com a cabeça”, explicou Oliveira.

Andrey chegou a ser afastado do time titular do Paraná. Foto: Albari Rosa.
Andrey chegou a ser afastado do time titular do Paraná. Foto: Albari Rosa.

Casinha

Um dos pontos exigidos pela maior parte dos torcedores que compareceu na reunião foi a demissão do presidente do conselho deliberativo do clube, Carlos Casagrande, o Casinha.

+ Veja ainda: Tricolor procura torcedor que assistiu ao clássico com a torcida do Coritiba

Em um primeiro momento, Oliveira alegou que não poderia fazer muito na situação, pois houve um processo eleitoral para que Casinha assumisse o cargo. Porém, ao ser pressionado com mais veemência, o presidente mudou um pouco o tom. “Vamos levar essa questão para ser discutida internamente”, afirmou.

Casinha está na mira da torcida do Paraná. Foto: Albari Rosa.
Casinha está na mira da torcida do Paraná. Foto: Albari Rosa.

Críticas à falta de sócios

Um dos pontos mais comentados por Oliveira na reunião foi o baixo número dos sócios. O presidente lamentou que, após o acesso em 2017, o número de torcedores que aderiram ao programa foi baixo.

+ Confira a classificação completa do Campeonato Paranaense!

“Nosso melhor momento em campo, em que mostramos que o Paraná é grande,não se refletiu em números”, criticou, alegando que no começo do ano passado o Tricolor tinha 5600 sócios.

O mandatário paranista também disse que o baixo número prejudicou no planejamento financeiro da equipe no ano passado. “O número de sócios não foi o que planejamos no ano passado e para fechar o nosso orçamento tivemos que fazer algumas coisas, como vender o mando de jogo contra o Palmeiras”, alegou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!