O Paraná Clube, nesta semana, iniciou uma nova era. O técnico Matheus Costa começou o trabalho com o elenco na segunda-feira e tem desafios importantes pela frente. O primeiro e talvez o mais fundamental seja mapear bem o grupo e definir quais jogadores vão disputar a Série B do Campeonato Brasileiro. O trabalho, no entanto, não será iniciado do zero, já que o técnico Dado Cavalcanti, mesmo diante das limitações de trabalho, conseguiu fazer o time paranista jogar de uma forma organizada em algumas partidas. Ele foi demitido após a eliminação na primeira fase do segundo turno do Campeonato Paranaense.

+ Leia mais: Bolsonaro aprova lei que dá Vila ao Paraná Clube

No entanto, o fracasso do Paraná Clube neste começo de temporada pode ser explicado por outros fatores que vão além da capacidade da comissão técnica. A fragilidade do elenco, a crise política que assola o clube nos últimos meses e a pressão do torcedor, que chegou a invadir o CT Ninho da Gralha, em Quatro Barras, foram aspectos determinantes que culminaram com as campanhas ruins do Tricolor nas disputas do Campeonato Paranaense e da Copa do Brasil.

Em meio à dificuldade do Paraná em campo e a fragilidade do elenco, Cavalcanti, a exemplo do que aconteceu na sua primeira passagem pelo clube em 2013, precisou administrar situações fora de campo, como por exemplo o atraso nos pagamentos do elenco.

+ Veja também: Tricolor vai manter a base pra Série B e trará poucas caras novas

O treinador, inclusive, diante da crise política do Tricolor e da ausência da diretoria para dar explicações nos momentos de crise, passou a ocupar a linha de frente do Paraná junto à imprensa para defender o time paranista da fase ruim. Também foi o responsável por blindar o elenco de qualquer situação extra campo que pudesse afetar o desempenho nas disputas do Estadual e da Copa do Brasil.

No Paranaense, o Tricolor não chegou nem perto da semifinal do primeiro turno. No segundo turno, até chegou na última rodada com chances de classificação, mas perdeu o clássico para o Coritiba e ficou pelo caminho. Foi então que a diretoria paranista optou pela troca no comando técnico para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro, que começa no final deste mês.

+ Mais na Tribuna: Paraná confirma primeiro reforço pra Série B

O técnico Matheus Costa, de volta ao Paraná para tentar conduzir o clube de novo à Série A do Campeonato Brasileiro, tem outra visão do elenco paranista.

“Achei o elenco qualificado para disputar um bom estadual. Não sei porque isso não aconteceu. A minha missão é observar tudo isso, trazer motivação para esse grupo ter sede de vitória, vontade de vencer. Elevar a autoestima desse grupo, criar uma motivação e competitividade interna para elevar nosso nível e conquistar bons resultados, com a chegada de alguns reforços‘, comentou Matheus Costa.

O treinador, depois de um ano e três meses de ter conseguido o acesso na Série B de 2017, tem uma realidade diferente agora. Tudo bem que, estruturalmente, o Tricolor está mais capacitado neste ano, mas Matheus Costa terá que saber lidar com a pressão por bons resultados e com fatores extra campo que podem ditar o ritmo do clube a partir da disputa da segunda divisão.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!