A situação no Paraná Clube só fica mais preocupante. Depois da trágica derrota para o Goiás por 4×0, na quinta-feira (29), a delegação foi “recebida” por cerca de trinta torcedores nesta sexta-feira (30), no Aeroporto Afonso Pena. Não houve agressão física, mas o clima ficou bastante tenso.

O grupo tricolor desembarcou por volta das 17h10 da sexta e deu de cara com os “paranistas”. A primeira informação é que seriam integrantes da Fúria Independente, principal torcida organizada do Paraná, mas como o grupo estava à paisana não se pôde definir se eram ou não da facção. Havia já a preocupação quanto à presença de torcedores, e seguranças foram contratados para escoltar o grupo do saguão até o ônibus.

Com a chegada dos paranistas, os torcedores começaram a cantar “você vai morrer, se o meu time cair para a Série C”. Os primeiros a serem abordados foram o técnico Roberto Fernandes e o superintendente de futebol, Hélcio Alisk. Eles conversaram com os torcedores e Bob chegou a dizer que “o corpo mole acabou”.

Os cânticos de “bando de tiriça, filha da p…., respeita a minha camisa” e “time sem vergonha” assustaram alguns jogadores, que prometeram reverter o atual momento. Alguns ovos foram arremessados no ônibus da delegação, e outros chutaram o veículo que levaria os paranistas para a Vila Capanema. Teve até cusparadas.

A decisão do presidente Leonardo Oliveira e do vice jurídico, Luiz Berleze, foi registrar um boletim de ocorrência contra os torcedores, alegando intimidação e tentativa de agressão. Haverá a tentativa de identificação dos participantes da confusão, usando as câmeras de segurança do aeroporto e vídeos gravados por quem passava pelo local.

Como os que protestaram não estavam uniformizados, a tendência é de que o Tricolor deixe a Fúria Independente de fora da confusão.

No final da noite da sexta-feira, a diretoria do Paraná Clube divulgou a seguinte nota:

A instituição Paraná Clube repudia veementemente os lamentáveis fatos ocorridos no Aeroporto Afonso Pena no fim da tarde desta sexta-feira (30), durante a chegada de nossa delegação à cidade de Curitiba. Ainda que a campanha esteja muito aquém do esperado, não podemos aceitar passivamente as agressões aos nossos atletas por baderneiros que se dizem “torcedores” de nosso clube.

O Paraná já registrou a ocorrência perante as Autoridades Policiais e não medirá esforços para que todos aqueles que agrediram atletas, comissão técnica e funcionários respondam pelos atos covardes ocorridos no dia de hoje.

A Diretoria seguirá dando todo o apoio e condições de trabalho aos profissionais do Departamento de Futebol Profissional, com a certeza de que todos estão empenhados na busca dos objetivos traçados.