Com resultado positivo de R$ 6 milhões, o Paraná Clube apresentou seu balanço financeiro de 2018 na última sexta-feira (26). Apesar do péssimo desempenho na Série A e de salários atrasados nos meses finais do ano passado, o Tricolor terminou a temporada do rebaixamento com R$ 9,8 milhões em caixa.

“O valor, no entanto, estava comprometido para pagamento de dívidas trabalhistas, de acordo com o trato firmado entre clube e Justiça do Trabalho para a quitação dos débitos trabalhistas do Paraná. “É um dinheiro que fica carimbado devido à centralização de dívidas para o pagamento das trabalhistas”, explica Fernando Geraldi, gestor financeiro do Tricolor.

+ Leia mais: Paraná Clube confirma Lucas Macanhan, ex-Athletico

O presidente do Paraná, Leonardo Oliveira, atua como interventor judicial do Paraná no Ato Trabalhista, recebendo pelo cargo salário de R$ 25 mil, saído dos cofres do clube. Já o setor social do clube fechou 2018 com lucro de R$ 1 milhão, contra um prejuízo de R$ 16,1 milhões em 2017.

Diminuição de despesas que vem da locação da maior parte da sede social da Kennedy e da realocação de funcionários administrativos e de outros setores que, apesar de ligados ao futebol, constavam na folha de pagamentos do social.

+ Leia também: Guilherme Santos convoca galera pra estreia em casa

Por fim, a dívida líquida do Paraná passou de R$ 153,1 milhões, em 2017, para R$ 135,7 milhões, em 2018. Redução de R$ 17,4 milhões. Confira abaixo outros detalhes do balanço.

Contraste com 2017

No balanço de 2017, o Paraná apresentou resultado negativo de R$ 45 milhões. Naquele balanço, entretanto, o clube contabilizou o exercício com contingências, ou seja, dívidas que deverão ser pagas apenas no futuro e podem ser renegociadas.

+ Veja ainda: Tricolor confirma contratação de volante do Avaí

Sem estas contingências, o resultado de 2017 ficaria zerado, sem lucro ou prejuízo. Já no balanço de 2018, o Paraná apresentou o resultado do exercício sem contingências, possibilitando assim o resultado positivo de R$ 6 milhões. Com as contingências, o resultado seria de R$ 8,1 milhões positivos.

Receitas/venda de patrimônio

Impulsionado pela venda da sede social do Boqueirão, o Paraná fechou 2018 com sua segunda maior receita nos últimos dez anos: R$ 48,9 milhões, sendo R$ 8,9 milhões relativos à venda do patrimônio. A maior receita da década segue sendo em 2013, R$ 52,5 milhões, dos quais R$ 30 milhões vieram da venda da sede do Tarumã.

+ Confira a classificação completa da Série B

Cotas de televisão

A participação na Série A turbinou as receitas de TV do Tricolor em 2018, com R$ 29,9 milhões. Em 2017, ano do acesso na Série B, o Paraná angariou somente R$ 7,8 milhões. Montante semelhante ao que o clube deve receber em 2019, em seu retorno à Segundona.

Venda de atletas

O Paraná recebeu R$ 3,6 milhões em 2018 com a venda de direitos econômicos de jogadores, contra R$ 1,1 milhão registrado em 2017.

Sócio torcedor

O acesso à Série A não impulsionou as receitas do Paraná com associados como a diretoria esperava. Em 2018, na elite nacional, o clube teve receita de R$ 3,6 milhões com a modalidade, contra R$ 2,9 milhões recebidos em 2017.

Foto: Albari Rosa.
Foto: Albari Rosa.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!