O Paraná Clube completou seu terceiro jogo sem vitória na Série B na derrota para o Bragantino e está novamente correndo o risco de entrar na zona de rebaixamento. O auxiliar Fernando Miguel, que comandou a equipe em Bragança Paulista, afirmou que o time terá que trabalhar, a partir de agora, com essa pressão, para conseguir se afastar da parte debaixo da classificação.

“Lógico que a nossa ideia nunca era disputar a parte debaixo, e sim sempre em cima. Infelizmente as coisas não aconteceram por enquanto. A nossa ideia é viver cada jogo como se fosse uma final. Encaramos assim contra o Bragantino, mas não deu certo”, frisou Miguel, que lembrou do seu tempo como jogador, quando passou por situações assim.

“Estive em alguns times disputando a parte debaixo e é muito difícil. Quero dizer a todos que não fácil. Nossa equipe é jovem e temos que sair dessa parte debaixo o mais rápido possível para que a gente não trabalhe com essa pressão”, emendou.

Apesar de o técnico Fernando Diniz (que estava suspenso) repetir o time por três vezes seguidas e de ter mudado apenas uma peça contra o Bragantino, Fernando Miguel afirmou que a comissão técnica ainda está à procura do time ideal. “A gente precisa ter um grupo mais homogêneo, com peças de reposição que entrem e mantenham a qualidade. A gente vai em busca disso. O Fernando Diniz está conhecendo agora a característica dos jogadores e podem ter certeza que nós, da comissão técnica, estamos trabalhando e quebrando a cabeça para achar logo esses onze titulares”, destacou.

Sonolência incomoda

Nos três jogos que não conseguiu vencer, o Paraná não teve boas atuações no primeiro tempo e o modo sonolento que entrou em campo nessas partidas está incomodando a comissão técnica. “É o que estamos falando aos jogadores nos últimos jogos. Entramos apáticos nos jogos. A gente pediu atenção nisso e se repetiu. Está acontecendo isso. Faz um primeiro tempo bem moroso, marcha lenta e no segundo tempo começa a jogar”, resumiu Fernando Miguel.

O auxiliar, porém, não acredita que os jogadores estejam se poupando na partida. “A gente pede que o time entre a mil por hora e quem cansar a gente vai tirando. Creio que os atletas não estejam fazendo corpo mole. Eles estão se dedicando, tenho certeza disso, mas no conjunto não estamos conseguindo funcionar no primeiro tempo”, garantiu.

Paraná Online no Facebook