Uma das armas do Paraná Clube na conquista do acesso à Série A foi, sem dúvidas, o fator casa. Em 2017, o Tricolor perdeu apenas dois jogos como mandante e melhorou bastante sua média de público, levando 8.817 torcedores por jogo, inclusive tendo os melhores públicos do futebol paranaense na temporada e batendo recordes nas casas dos rivais Atlético e Coritiba, com 39.414 pagantes na vitória por 1×0 sobre o Internacional, na Arena da Baixada, e 36.791 no empate em 1×1 com o Boa Esporte, no Couto Pereira.

Até por isso, o presidente Leonardo Oliveira admitiu uma vontade de ampliar a capacidade da Vila Capanema, ainda mais para comportar jogos de grande porte na Série A em 2018, e que já há negociações para instalar arquibancadas móveis no estádio.

“Se tivermos êxito nas tratativas que estamos tendo, pode-se pensar algo até melhor que tubular. Mas num primeiro momento teria que ser instaladas arquibancadas móveis, se o objetivo for só bater o recorde do nosso próprio estádio”, afirmou o dirigente, em entrevista à Rádio Banda B.

De qualquer forma, independentemente da capacidade da Vila Capanema, Leonardo Oliveira acredita que a torcida já abraçou o projeto paranista e que, de fato, ela foi fundamental nesta temporada, principalmente quando o time foi eliminado na semifinal da Primeira Liga.

“O momento chave foi quando fomos eliminados da Primeira Liga e nosso torcedor foi nos receber no aeroporto em grande número, apoiando nosso trabalho. Nesse momento, o projeto foi abraçado pela torcida e dali pra frente foi só concretizar um trabalho que foi muito bem feito”, relembrou ele.