SELO TAMO JUNTO PARANÁ CLUBEFaltam dois jogos. O Paraná Clube segue dependendo de seus próprios esforços para acabar com dez anos de agonia e voltar para a Série A. Mas poderia ter fechado a 36ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B com a faca e o queijo na mão. Faltou, no entanto, jogar com a “faca nos dentes” na partida desta terça (14) contra o Santa Cruz. Em uma noite sem inspiração, o jogo ficou no 0x0, o que deixou o time com dois pontos de vantagem para os rivais mais próximos na briga pelo G4.

O Tricolor sobe para a primeira divisão com uma vitória neste sábado (18) contra o CRB, às 17h30, combinada com tropeços de Londrina (que enfrenta o América-MG) e Oeste (que pega o ABC). Na rodada desta terça, o Internacional garantiu o acesso empatando com o Oeste em 0x0.

Veja como foi o jogo no Tempo Real da Tribuna!

O Paraná encontrava um cenário totalmente diferente. Em campo, um adversário rebaixado e que até horas antes da partida tinha seus jogadores ameaçando entrar em greve e não atuando. O clima de desânimo era sentido. Marcelo Martelotte, o técnico do Santinha, parecia sem forças para motivar o time. E com um estádio, justamente chamado de Mundão do Arruda, praticamente vazio. Na teoria, tudo conspirava a favor do Tricolor.

Mas o início do jogo foi tão desanimado quanto os donos da casa. Os pernambucanos até tentavam atacar, mas demonstravam os motivos do rebaixamento com uma tremenda dificuldade de criar. E o Tricolor começou sem pegada, sofrendo para jogar no gramado pra lá de irregular, errando muitos passes e ficando preso na marcação. E espaço havia para jogar, principalmente pela esquerda, onde o notório Derley estava perdido como ala.

Renatinho correu, mas não conseguiu vencer a marcação. Foto: Albari Rosa
Renatinho correu, mas não conseguiu vencer a marcação. Foto: Albari Rosa

Bem diferente do estilo que levou o time ao G4, o Paraná era lento. E essa lentidão impedia que a melhor qualidade técnica se impusesse em campo. Matheus Costa pedia mais agilidade na troca de passes, mas o time não respondia. O resultado disso foi que o Santa foi o primeiro a levar perigo, isso já a 29 minutos, na boa jogada individual de Ricardo Bueno. Robson criou uma boa chance, mas a melhor oportunidade foi de Rayan, cabeceando para fora. De resto, 45 minutos de pouco futebol.

No intervalo, o Tricolor já sabia da vitória do Londrina, do empate do Oeste e da vitória parcial do Ceará. O G4 estava garantido por mais uma rodada, o rival direto passava a ser o Tubarão. Mas era possível abrir quatro pontos de vantagem, e o time voltou para o segundo tempo querendo jogar mais ofensivamente. Tanto que Matheus Costa optou por tirar João Pedro, que não foi bem, e colocar Alemão.

O Santa, jogando “pela honra”, como afirmou Ricardo Bueno, seguia mais perigoso. Começou o segundo tempo assustando no chute de André Luís. Mas a resposta veio rápida, e Alemão parou na ótima intervenção de Júlio César. Mesmo assim, o Paraná jogava mal, a ponto de quase sofrer o gol com Augusto – ele só não fez porque errou o carrinho na pequena área.

Confira a classificação atualizada da Segundona!

Matheus Costa tentou dar um “choque” de vontade no time ao colocar Leandro Vilela no lugar de Vinícius Kiss. Só que à apatia se juntou o nervosismo – simbolizado no lance em que Robson tentou cobrar a falta rapidamente e rolou para um Gabriel Dias totalmente “fora do ar”. A partida se tornava perigosa.

Aos 26 minutos, o jogo ficava com mais cara de obrigação de vitória. Após uma entrada criminosa em Rayan, João Paulo foi expulso. 11 contra 10. Passava da hora do Tricolor jogar. No escanteio de Renatinho, Gabriel Dias quase fez de cabeça. Mas os erros de passe se sucediam, e não se via uma pressão paranista. Pelo contrário. A partida seguiu amarrada, e ficou em um 0x0 plenamente justo pelo que aconteceu em campo.

Ficha técnica

SÉRIE B
2º Turno – 36ª Rodada

SANTA CRUZ 0x0 PARANÁ CLUBE

Santa Cruz
Júlio César; Bruno Silva, Anderson Salles e Sandro; Derley, Wellington Cézar, Thiago Primão (Marcílio), João Paulo e André Luís (Natan); Ricardo Bueno e Grafite (Augusto).
Técnico: Marcelo Martelotte

Paraná Clube
Richard; Cristovam, Iago Maidana, Eduardo Brock e Rayan (Igor); Gabriel Dias, Vinícius Kiss (Leandro Vilela), Renatinho e João Pedro (Alemão); Robson e Vitor Feijão.
Técnico: Matheus Costa

Local: Arruda (Recife-PE)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (MG) e Sidmar dos Santos Meurer (MG)
Cartões amarelos: João Paulo, Thiago Primão (STA); Vitor Feijão (PR)
Cartão vermelho: João Paulo
Renda: R$ 4.330,00
Público total: 2.005