Surpresa para uns, realidade para outros. O Paraná Clube, neste início de temporada, vem desafiando seus próprios limites e está a um passo de conquistar uma vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. Apesar de toda a reformulação e montar um time barato, o Tricolor, depois de vencer o jogo de ida por 2×0, no Barradão, em Salvador, pode até perder por um gol de diferença para o Vitória, hoje, às 19h30, na Vila Capanema, que mesmo assim estará entre os 16 melhores times da competição nacional.

Conseguir essa classificação tem dois significados importantes para o Paraná Clube. O primeiro deles é comprovar que o Tricolor está trilhando o caminho certo para brigar pelo acesso na disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. O segundo é o lado financeiro. Não é novidade para ninguém que o clube atravessa dificuldades nos últimos anos. Passar pelo rubro-negro baiano garantirá a entrada de mais R$ 1 milhão aos cofres paranistas, chegando ao total acumulado de R$ 3,3 milhões até agora na Copa do Brasil.

“Financeiramente todo mundo sabe que facilita muito até que os recursos da Série B possam entrar. Ajuda muito em todos os sentidos, mas tem o quesito muito mais importante que é a confiança para a sequência, que os jogadores ficam conhecidos e respeitados nacionalmente. A competição tem um alcance muito grande, não só em termos de mídia, mas principalmente de times que acompanham. Todo mundo está vendo. Isso deixa a gente muito satisfeito, sabendo da responsabilidade, mas satisfeitos com esses primeiros cem dias de trabalho”, cravou o técnico Wagner Lopes.

A vitória por 2×0 em Salvador aproximou bastante o Paraná Clube da vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. Mas se engana quem pensa que o Tricolor já está contando com a classificação. O treinador paranista ressaltou das dificuldades que a partida deverá apresentar, sobretudo pela qualidade do Vitória. O time baiano, não a toa, tem um dos melhores desempenhos dentre os clubes que disputam a Série A do Campeonato Brasileiro.

“É um jogo de 180 minutos e conversamos isso em Salvador antes do jogo. O primeiro tempo acabou e ainda faltam 90 minutos, o segundo tempo. Temos que ter a mesma postura, determinação e aplicação tática. O adversário está fazendo um ano muito bom e temos que respeitar isso, ainda pelo investimento do Vitória. É um time bem treinado. Respeitar o adversário é fazer o seu melhor para vencer. A gente respeita muito e dentro da nossa precisamos fazer o resultado, fazer esse segundo tempo. Temos a vantagem, mas temos histórias recentes que não podemos menosprezar. Será um jogo difícil e precisamos estar em estado de alerta o tempo todo”, avisou o treinador.

A base do time que atuou em Salvador deve ser mantida pelo técnico Wagner Lopes. A novidade fica por conta do retorno do volante Alex Santana, que cumpriu suspensão. O volante Gabriel Dias ainda se recupera de uma pancada no pé e é dúvida. Jhony pode entrar no setor de contenção do Paraná caso o titular não tenha condições.

Na frente, a dúvida no Paraná está entre Guilherme Biteco e Pedro Bortoluzo. O meia ainda não tem condições de jogar 90 minutos e, como ocorreu na primeira partida, poderá ser utilizado no decorrer do jogo. “Vamos ter surpresas sim. Dependemos de algumas situações do departamento médico. Temos nosso conceito de jogo, princípios, modelo de jogo e todos sabem a maneira de atuar”, arrematou Lopes.

Ficha técnica

COPA DO BRASIL
Quarta fase – Jogo de volta

Paraná Clube x Vitória

Paraná Clube
Léo; Júnior, Airton, Eduardo Brock e Rayan; Gabriel Dias (Jhony), Alex Santana e Renatinho; Nathan, Robson e Pedro Bortoluzo (Guilherme Biteco).
Técnico: Wagner Lopes

Vitória
Fernando Miguel; Patric, Kanu, Alan Costa (Fred) e Geferson; Bruno Ramires, Willian Farias e Cleiton Xavier; Pineda, David e André Lima.
Técnico: Argel Fucks

Local: Vila Capanema
Horário: 19h30
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG) e Pablo Almeida da Costa (MG)