Quase um mês sem calendário. Depois de ser eliminado do Campeonato Paranaense, o Paraná Clube tem 27 dias para tentar mudar o rumo da temporada, que não começou bem. Após perder por 1×0 para o Coritiba ontem, o Tricolor só volta a campo no dia 27 de abril, pela Série B do Campeonato Brasileiro, contra o Vila Nova-GO. O hiato agrava mais ainda a crise que o clube vive envolvendo atrasos de salários, péssimos resultados em campo e diretoria sendo colocada em xeque pela torcida.

+ Leia mais: Paranista infiltrado na torcida do Coxa pede saída de Dado Cavalcanti!

A situação começou a ficar difícil no Tricolor quando o time não conseguiu se classificar nas fases finais do primeiro turno do estadual. Porém, a eliminação na Copa do Brasil, na segunda fase, para o Londrina, foi um golpe ainda pior, já eu o time deixou de lucrar uma quantia que viria em um bom momento. Com salários atrasados e os bastidores pegando fogo, com pedidos da torcida para que o presidente Leonardo Oliveira renuncie, a despedida do segundo turno foi mais um fator agravante.

+ Veja ainda: Tricolor procura torcedor que assistiu ao clássico com a torcida do Coritiba

No Estadual, o time paranista ficou na classificação geral na quinta colocação com 15 pontos, em 11 jogos. A equipe somou quatro vitórias, três empates e quatro derrotas. Foram 14 gols marcados e nove sofrido.

Na semana passada, em reunião extraordinária solicitada pela torcida, Oliveira tentou destacar os trabalhos feitos até aqui para sanear as contas do time. Porém, durante o evento, o mandatário recebeu em mãos do presidente da torcida Fúria Independente, Marcio Silvestre, que também é conselheiro, um abaixo-assinado com 52 assinaturas pedindo a saída de toda a mesa diretiva. A atitude foi muito aplaudida pelo público presente.

Tentando amenizar a situação, Oliveira destacou o quanto é importante contar com os torcedores para que os problemas sejam contornados. “Estamos trabalhando firme para pagar dívidas. Mas essas ações não são resolvidas de forma simplistas.

O apoio (da torcida) é essencial, vital para que as coisas continuem acontecendo, mas com um momento político conturbado e sem apoio não se consegue construir nada”, falou na ocasião.

+ Também na Tribuna: Veja tudo que aconteceu no “Paratiba raiz”

Sem contar com um ambiente estável no extra-campo, há também a dúvida se Dado Cavalcanti seguirá como treinador da equipe. O treinador também está sendo questionado pela torcida, já que vai completar quase seis meses de seu retorno ao time e nenhum grande resultado foi colhido.

Assumindo que é preciso mudar a realidade de derrotas que vive a equipe, o comandante ressaltou o momento de análise dos erros que precisam ser feito para que o grupo siga na temporada.

“É necessário uma reflexão grande e precisamos alinhar bem a nossa ideia, quais foram os detalhes que faltaram para ter uma regularidade no campeonato e onde perdemos pontos”, explicou.

Negando que a falta de verbas para contratação de jogadores mais competitivos tenha atrapalhado o time até aqui, Dado esclareceu que trabalhou com as peças que tinha. Porém, o técnico afirmou que mudanças no elenco podem ser feitas com foco na Série B.

+ Confira a classificação completa do Campeonato Paranaense!

“Não é por conta da eliminação que nós vamos alimentar essa ideia. Acabou que por uma opção de mercado as contratações não vieram, por puro detalhe. Mas obviamente, ao final do Estadual, fica reaberta a avaliação do grupo, pois a ideia é sempre buscar melhorar”, explicou.

Ainda que a diretoria paranista traga reforços para o Brasileirão, as perspectivas não são das melhores. “Sabemos das dificuldades que a gente na parte financeira, em relação à contratação e montagem.

Temos que ver quais são as nossas necessidades para fortalecer bem o grupo e chegar com um padrão bem definido, quem sabe com um mais poder de decisão”, arrematou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!