O zagueiro Rodrigo, 32 anos, atualmente no Operário, ganhou uma ação do Paraná Clube no valor de R$ 520 mil. O atleta passou pelo Tricolor em 2015 e saiu no ano seguinte, com apenas quatro jogos disputados e um gol marcado.

Rodrigo chegou ao time paranista em abril daquele ano, após passagem pelo XV de Piracicaba e foi o segundo reforço para a disputa da Série B. Em sua passagem na Vila Capanema, o zagueiro machucou o joelho no fim do primeiro turno e ficou parado pelo restante da competição.

Além da questão desportiva, a lesão de Rodrigo ainda trouxe prejuízo financeiro por conta do seguro obrigatório. O Paraná contratou esse serviço meses depois da cirurgia no ligamento cruzado anterior do joelho e não quando contratou o atleta e antes da contusão. Por conta disso, o clube paranaense foi obrigado a pagar indenização de 12 vezes o valor do salário anual.

De acordo com o artigo 45 da Lei Pelé, “as entidades de prática desportiva são obrigadas a contratar seguro de vida e de acidentes pessoais, vinculado à atividade desportiva, para os atletas profissionais, com o objetivo de cobrir os riscos a que eles estão sujeitos”.

+ Quem são os seus narradores e comentaristas mais marcantes? Ouça essa homenagem ao rádio paranaense no Podcast De Letra!

Rodrigo teve seu contrato renovado automaticamente para 2016 por estar se recuperando da cirurgia, mas com redução salarial e a defesa do zagueiro conseguiu provar que foi indevida. Assim, o Tricolor tem que pagar a diferença dos salários entre os dois contratos.

“Como a Lei Pelé prevê o valor da indenização por não ter contratado o seguro, o clube foi condenado a pagar diretamente ao atleta essa indenização. Outro ponto importante foi que na renovação houve redução do salário do Rodrigo. Essa redução é ilegal. A justiça determinou que o clube pagasse toda diferença entre o salário do primeiro contrato e o valor reduzido do segundo contrato”, afirmou o advogado Filipe Rino.

+ Confira a tabela e a classificação da Série B!

E ainda há mais. Os valores de auxílio-moradia e de direitos de imagem do atleta eram superiores ao do salário em carteira. A Justiça reconheceu natureza salarial, ou seja, tudo como vencimento a ser pago. Dessa forma, o clube ainda foi condenado a pagar a diferença do depositado somente em cima do salário em carteira sobre o 13º salário, férias e FGTS.

Na soma geral, a ação ajuizada em agosto de 2016 teria um valor um pouco acima de R$ 300 mil. Com correção monetária atualizada, a quantia ultrapassa os R$ 500 mil. Natural de Coxim, no Mato Grosso do Sul, o defensor começou a carreira no Cene-MS e jogou por quatro equipes paranaenses: Cascavel (2011), Toledo (2012), Paraná (2015) e, atualmente, no Operário. Ele tem passagens também pelo Marcílio Dias, Comercial-MS, Cene-MS, XV de Piracicaba, Boa Esporte, Veranópolis e Brusque.

Vale lembrar que esse tipo de ação entra diretamente no Ato Trabalhista, intervenção judicial em vigor desde março de 2018, que retém 20% da arrecadação para quitar dívidas na justiça. O Ato já encerrou 271 das 536 ações trabalhistas existentes contra o clube desde seu início.

Mais do Tricolor:

+ Paraná Clube aproveita folga para avaliar elenco para 2020
+ Criciúma x Paraná Clube tem confusão, polêmicas e despedida
+ Jornalistas são detidos e dirigente alega ter sido agredido em Santa Catarina