Jogadores transferidos, lesões e suspensões. É desse jeito que o técnico Marcelo Martelotte tem tentado tornar o Paraná Clube um pouco mais competitivo na disputa da Série B. Depois de fazer o time paranista voltar a jogar bem na vitória sobre o Londrina e até mesmo na derrota para o Vila Nova, ambos os jogos na Vila Capanema, o treinador foi obrigado a modificar a equipe contra o Atlético-GO, no revés sofrido no último sábado (17), em Goiânia.

Apesar de ter uma base de time definida, o treinador comentou das dificuldades de precisar sempre modificar a equipe paranista no decorrer da competição. “Não conseguimos repetir a equipe, sempre temos ausências, mas claro que a gente tem uma espinha dorsal. A gente está buscando o melhor rendimento e, para isso, a gente faz algumas trocas para que as oportunidades sejam aproveitadas”, apontou Martelotte.

Com a semana cheia para trabalhar visando o duelo contra o Náutico, marcado para sábado (24), na Vila Capanema, o treinador não terá nenhuma baixa por suspensão. A novidade deve ser no ataque. Fernando Karanga, depois de cumprir suspensão na rodada passada, está à disposição.

Há a expectativa também de possíveis retornos de jogadores que estão no departamento médico. Caso do volante Anderson Uchôa, poupado do duelo contra o Dragão por conta de dores na panturrilha. Quem também pode ficar à disposição do técnico é o meia Cristian, que fez apenas três jogos até agora desde que retornou ao Tricolor.

Com 33 pontos e cada vez mais longe de conseguir o acesso, o Paraná está exatamente no meio do caminho da Série B. O time paranista tem seis pontos de vantagem para o Bragantino, primeiro time dentro da zona de rebaixamento, e seis pontos atrás do Bahia, que é a primeira equipe dentro do G4.