Após quatro jogos sem vencer na Série B do Campeonato Brasileiro, o Paraná vai buscar contra o CSA, no próximo sábado, em Maceió, uma recuperação para voltar ao G4. Com o empate frente ao Náutico, na última terça-feira, na Vila Capanema, o Tricolor caiu para a quinta posição, após 12 rodadas dentro do grupo tão sonhado na Segundona. A Tribuna listou alguns motivos para a ‘freada’ do Tricolor na competição. Confira!

Ausência dos zagueiros titulares

Um dos principais setores do Paraná na temporada tem sido a defesa. Após a saída de Thales, o colombiano Salazar se firmou como titular e se entrosou muito bem com o capitão Fabrício.

O capitão, aliás, vinha sendo uma das referências do time, tanto na marcação, como na saída de bola e até mesmo em jogadas de bola parada no ataque. Fabrício se lesionou e tem desfalcado o time nos últimos três jogos.

+ Confira a classificação completa da Série B!

Já o colombiano Salazar se lesionou na partida contra a Chapecoense e não entrou em campo contra Botafogo-SP e Náutico. Com isso, o Tricolor perdeu seus principais pilares e tem sofrido com Roberto e Hurtado na defesa.

Fabrício tem feito falta ao Paraná. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/Tribuna do Paraná.

Desgaste de alguns atletas

Alguns jogadores têm sofrido um desgaste natural com a sequência de jogos. Tem sido notória a queda de produção de atletas que vinham sendo destaques na boa campanha paranista.

O volante Higor Meritão e os atacantes Andrey e Bruno Gomes, por exemplo, acabaram sendo poupados pelo técnico Allan Aal diante do Náutico, e ficaram no banco de reservas.

O meio-campo Renan Bressan, que recentemente renovou o seu contrato com o clube, também acabou tendo uma queda de desempenho nos últimos jogos.

Renan Bressan caiu de rendimento nos últimos jogos. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/Tribuna do Paraná.

Atraso nas mudanças

Uma das principais broncas da torcida paranista com o técnico Allan Aal tem sido a demora para modificar o time. Mesmo com a equipe em baixa durante os jogos, o treinador tem esperado bastante para mudar as peças.

No empate sem gols com o Náutico, o comandante paranista só mexeu aos 30 minutos do segundo tempo – houve a troca de zagueiros no primeiro tempo, mas por conta de lesão.

Aal também esperou bastante para modificar a equipe quando vinha sendo derrotado pelo Botafogo-SP, na última semana.

Allan Aal tem optado por manter o time titular durante boa parte dos jogos. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/Tribuna do Paraná.

Dificuldade nas pontas

No setor ofensivo está outra bronca dos torcedores. Na maioria dos jogos, o técnico Allan Aal tem optado pelos jovens Gabriel Pires e Andrey nas pontas, com Marcelo sendo outra peça bastante utilizada. Entretanto, o trio não vem tendo bons desempenhos.

Para a posição, o Paraná trouxe o atacante Bruno Xavier, que entrou no segundo tempo da partida contra o Náutico. Além dele, o Tricolor também conta com Thiago Alves, Guilherme Biteco, Wandson e Lucas Sene.

Gabriel Pires tem sido titular em grande parte da Série B. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/Tribuna do Paraná.

+ Mais do Tricolor:

+ Allan Aal vê Paraná em má sorte em sequência negativa
+ Cristian Toledo: Pressão tardia, alterações tardias e empate na Vila


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?