Uma tarde de tensão na Vila Capanema. Com muitas reclamações em cima da arbitragem, o Paraná Clube venceu o Rio Branco por 1×0 e manteve a ponta do Campeonato Paranaense. Foi a volta às vitórias do Tricolor, que vinha de um empate e uma derrota pela Primeira Liga. E um passo decisivo para a garantir do primeiro ligar ao final do turno.
A opção de Ary Marques, que conhece a Vila Capanema como a palma da própria mão, era povoar o meio-campo e montar um time mais forte fisicamente para impedir que os Meninos da Vila colocassem velocidade no jogo. Funcionou durante pelo menos a metade da etapa inicial, quando o Tricolor ficou perdido, sem saber por onde encontrar caminhos para atacar. Tanto que o lance mais perigoso foi um recuo errado de Luiz Henrique Camargo, que obrigou Dalton a se esforçar para defender.
Mas aos poucos o Paraná Clube começou a encontrar caminhos, principalmente porque Alex Santana não era marcado. Se Jonas Pessalli e Matheus Carvalho, que deveriam ser os armadores, estavam apagados, o volante tinha espaço e assumiu a responsabilidade de chamar o jogo. E foi ele quem deu um passe preciso para Rúben Bentancourt receber dentro da área e sofrer pênalti de Leandro Cardoso. Matheus Carvalho cobrou e abriu o placar. Os jogadores do Leão da Estradinha e o técnico Ary Marques reclamaram tanto do lance que Ary foi excluído do jogo.
O plano tricolor de resolver a parada no início do segundo tempo parou na incrível chance que Jonas Pessalli perdeu na cara do goleiro. Aos poucos, o time parnanguara passou a pressionar, e a blitz aumentou quando Rúben Bentancourt, que até então era um dos destaques do Paraná, acertou Diego Prates e acabou expulso. O uruguaio saiu revoltado, e o jogo ficou nervoso, com os dois times pressionando o árbitro Rafael Traci, que demonstrava estar também bastante tenso. E nesse clima nada amistoso o Paraná manteve o resultado, que é importantíssimo nos planos de garantir o título da primeira fase do Estadual.