O Paraná Clube voltou a ter problemas com a piscina da sede social da Kennedy. Na última sexta-feira (22), a vigilância sanitária esteve no local e interditou a piscina, que não tinha nada de cloro em sua água, o que é proibido. De acordo com a lei, é obrigatório manter o nível de cloro residual entre 0,8mg e 1,5mg por litro.

+ Leia também: Maicosuel inicia fase de transição no Tricolor

A prefeitura esteve no clube e, após analisar o caso, interditou o uso do local. Em nota enviada à Tribuna do Paraná, o Tricolor explicou que por causa da forte chuva que caiu em Curitiba na última quinta-feira (21), o motor da piscina estragou, o que impedia que o cloro se espalhasse na água e obrigasse o local a ser interditado na sexta.

Na própria sexta-feira, no entanto, o clube já mandou arrumar o motor e entrou em contato com a vigilância sanitária e a tendência é que, no mais tardar, até a próxima quinta-feira (28) esteja tudo solucionado com o local liberado para os sócios.

Esta não é a primeira vez que o Paraná vê as piscinas serem interditadas pela vigilância sanitária. Em outubro do ano passado, o motivo foi a sujeira acumulada na água, que, inclusive, estava até com um tom verde-escuro.

+ Mais na Tribuna: Leonardo Oliveira nunca mais se pronunciou à torcida do Paraná

Em janeiro, o local foi liberado para o público após o Tricolor cumprir as exigências da vigilância. Porém, pouco mais de um mês depois os problemas voltaram.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!