O torcedor do Paraná Clube verá, em 2018, um trio ofensivo bem diferente diferente daquele que em 2017 se destacou e ajudou o Tricolor a conquistar o acesso à primeira divisão. Para as vagas dos atacantes Robson, que foi para o futebol da Tailândia, e Felipe Alves, que deixou o clube, e do meia João Pedro, que voltou de empréstimo ao Atlético, o técnico Wagner Lopes tem novas opções para escalar o setor ofensivo paranista.

Durante todo o ano, independentemente das trocas no comando da equipe, o Paraná Clube atuou na maioria dos jogos com três atacantes. Principalmente na Série B e após a chegada de João Pedro, que jogava um pouco mais avançado, pelo lado do campo, assim como Robson, com Alemão sendo o homem de referência.

Para 2018, com essas baixas, Wagner Lopes poderá contar com os remanescentes Vitor Feijão, que até foi titular em algumas partidas após se recuperar de uma lesão, e Minho, que vinha se destacando até se machicar e passar por uma cirurgia no joelho. Além deles, o comandante paranista contará agora com o atacante Diego, que vem do Internacional. O novo reforço do Tricolor atua pelos lados do campo e tem como principal característica a velocidade.

Se tem até algumas opções interessantes de atacantes que jogam pelos lados do campo, o treinador, porém, ainda necessita de pelo menos mais um atacante de referência. Por enquanto, apenas Alemão, que tem contrato com o clube, está à disposição. O nome do experiente atacante Zé Carlos, ex-CRB, é especulado e pode aparecer como reforço em 2018.