Apesar de possuir menos investimentos que os rivais Coritiba e Athletico, o Paraná é conhecido pelo bom histórico como clube formador.

Quando pensamos em crias da base paranista, rapidamente nomes como dos meias Giuliano, Thiago Neves, Maicosuel e Everton vêm à mente. Se puxarmos pela memória, os meias Ricardinho e Lúcio Flávio e o goleiro Marcos também aparecem, entre muitos outros.

No entanto, assim como em todos os clubes, muitos jovens subiram para o time profissional com status de joia, mas acabaram não vingando.

Confira abaixo cinco promessas do Paraná que não explodiram como esperado na Vila Capanema e por onde andam neste 2020. Vale lembrar que a lista considera o rendimento destes atletas quando defenderam o Tricolor e não o geral de suas carreiras.

Arthur

Arthur despontou no Paraná em 2013, mas não obteve o sucesso esperado. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta do Povo

O atacante surgiu como promessa de artilheiro no Estadual de 2013, sob o comando de Toninho Cecílio. Logo em sua estreia, contra o finado J.Malucelli, fez o golaço da vitória por 1×0. O futuro parecia promissor para o atleta que chegou a ser chamado de “Rei Arthur” pelos torcedores. Em 2014, fez dois gols em 12 jogos. E foi só.

Em seguida, entretanto, acabaria defendendo clubes menores, como Juventus-SC, Foz do Iguaçu, KF Laçi, da Albânia, Grêmio Anápolis, Carajás, Desportiva Paraense e, em 2019, Castanhal. O futebol, aliás, ficou em segundo plano. Hoje, aos 26 anos, Arthur se apresenta como coreógrafo, dançarino e instrutor de dança.

Murilo

Murilo chegou a ser chamado de “Muralha” pela torcida paranista, mas não se firmou no clube. Foto: Albari Rosa/Arquivo/Gazeta do Povo

Em 2014, Murilo Prates estreou na “fogueira”. Em meio à Série B, o veterano Marcos estava suspenso e coube ao então jovem de 21 anos atuar. E o que ele demonstrou na vitória sobre o Bragantino, por 1×0, impressionou.

O arqueiro mostrou tranquilidade, bom posicionamento e foi crucial no triunfo. Rapidamente, ganhou a confiança da torcida. Mas acabou não tendo o futuro que se imaginava na Vila Capanema. Murilo não se firmou, somando somente 12 jogos. Após rodar o interior paulista, hoje, aos 27, defende a Portuguesa.

Elvis

Elvis disputa clássico Paratiba pelo Tricolor. Foto: Rodolfo Buhrer/Gazeta do Povo.

Quando estreou pelo Paraná aos 18 anos, em 2009, o meia Elvis parecia a salvação técnica e financeira do clube. Habilidoso e com potencial, rapidamente virou titular do time. “Já recusamos R$ 14 milhões pelo Elvis”, declarou o diretor Marcio Vilela em junho daquele ano.

Já o presidente Aurival Correia acreditava que a venda do meia seria o maior negócio da história do clube. A realidade é que, entre 2009 e 2010, o meia fez somente 11 jogos pelo Paraná. Acabou emprestado para o Botafogo e chegou a defender o Benfica, de Portugal. Mas nunca virou o craque que se esperava. Hoje, aos 29 anos, defende o Cuiabá.

Vinicius

Meia Vinícius acabou tendo de sair do Paraná para consolidar carreira. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta do Povo

Muitos sequer se lembram que o meia que atualmente defende o Ceará foi revelado no Paraná. Cria do futsal paranista, Vinícius fez seis jogos pelo Tricolor e anotou um gol, em 2010. No mesmo ano, acabou indo para a base do rival Coritiba, onde também não se firmou.

Acabaria amadurecendo e obtendo sucesso com as camisas de Náutico, Fluminense, Bahia e Atlético-MG. Também soma uma passagem pelo Athletico, em 2016. Apesar da boa carreira, sua passagem pela Vila Capanema não foi aquilo que se esperava.

Guga

Guga é mais um jovem que acabou não rendendo em seu período na Vila. Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Em 2015, com apenas 18 anos, o atacante Guga saiu das categorias de base e caiu nas graças do então treinador Fernando Diniz, rapidamente virando titular do time durante a Série B daquele ano. Parecia o início de uma carreira promissora do jovem goleador na Vila Capanema. Mas ficou apenas na expectativa.

Entre idas e vindas entre a base e o time de cima, Guga somou somente oito jogos em três anos de Tricolor. Em 2017, acabou emprestado para o Inter de Lages. Em 2019, já sem nenhum vínculo com o Paraná, assinou com o modesto São Joseense, de São José dos Pinhais.

+ Mais do Tricolor:

+ Paraná confirma que funcionário com coronavírus está curado
+ Goleiro do Paraná se envolve em acidente de carro na entrada de casa
+ Paraná lança camisas comemorativas
+ Paraná anuncia a contratação de colombiano, ex-PSTC


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?