Logo que começou a Série B do Campeonato Brasileiro, parecia que a briga emocionante seria por três vagas para a Série A. A primeira vaga e o título pareciam certos que ficariam com o Botafogo. Principal clube da competição este ano, o alvinegro carioca disparou nas primeiras partidas e abriu larga vantagem. Porém, após 19 rodadas muita coisa mudou.

Tanto que o campeão simbólico do primeiro turno foi o Vitória, com o Botafogo terminando em segundo. Em alguns momentos o G4 esteve totalmente empatado, com uma diferença muito apertada até para o oitavo lugar. Para se ter uma ideia, atualmente a diferença do quarto colocado, o Bahia, para o sétimo, o Paysandu, é de apenas três pontos, com todos eles com nove vitórias.

Porém, o equilíbrio não é só entre os primeiros colocados, justamente pelo fato de os que brigam pelo acesso terem desperdiçados pontos diante de equipes que estão ameaçadas pelo rebaixamento. Ainda assim, exceção ao Ceará, os primeiros colocados são os clubes de maior expressão, mostrando que será difícil uma surpresa acontecer nesta Série B.

Em meio a todo o primeiro turno, recuperações e quedas ocorreram. O Criciúma, por exemplo, ficou onze rodadas sem perder e já começa a sonhar com o acesso. Por outro lado, o Macaé, que passou algumas rodadas no G4, já não vence há sete partidas e está apenas três pontos à frente da zona do rebaixamento.

Fuga

A briga para fugir da Série C também promete. Mesmo afogado na lanterna, o Ceará tem elenco para sair da situação e embolar ainda mais a briga. ABC e Mogi Mirim já mostraram serem sérios candidatos à queda, mas estão cinco e seis pontos do Boa Esporte, que é o primeiro fora da zona. Porém, do décimo colocado, que é o Bragantino, para o 17º, o Luverdense, a diferença é de apenas quatro pontos.

Ou seja, pela pontuação são dez clubes ainda na briga para permanecer na Série B, com outros sete candidatos rumo à elite do futebol nacional, ainda com Santa Cruz e Criciúma podendo sonhar alto. O segundo turno promete ser ainda mais equilibrado.

Histórico favorece os primeiros

Nesta briga acirrada, seja em cima ou embaixo da tabela, os números são forte aliados dos times. E nesta questão, a turma do G4 pode se considerar em vantagem.

Desde que a Série B adotou os pontos corridos, em 2006, apenas em 2009, quando o Atlético-GO foi quarto colocado com 65 pontos, e em 2012, quando o São Caetano terminou em quinto lugar, com 71 pontos, quem fez 63 pontos não subiu. Em média, o número mágico para alcançar o acesso gira entre 61 e 63 pontos. Ou seja, os quatro primeiros colocados já superaram metade do caminho rumo a Série A.

Nos anos anteriores, pelo menos dois clubes que terminaram a primeira metade da competição entre os melhores, confirmaram o acesso. Ou seja, dificilmente acontece uma mudança tão radical, sendo que apenas em 2006 (Coritiba) e em 2007 (Criciúma) o campeão moral do primeiro turno não subiu.

Degola

Já para não cair, o número mágico caiu nos últimos três anos, quando 44 pontos foram necessários. No entanto,  já foi preciso 46 e até 47 pontos. Ainda assim, o segundo turno mostra que reações podem acontecer, casos do ABC, que em 2013 terminou a primeira metade na lanterna, com 14 pontos, mas acabou escapando da degola, e do Brasiliense, que após somar 13 pontos, também terminou fora da zona.