São Paulo  – A definição do substituto de Roberto Rivellino ainda deve demorar mais um pouco. O preferido da diretoria do Corinthians, Edvar Simões, está encontrando dificuldades para se desligar do time de basquete que ele dirige o Corinthians/Mogi. Edvar não quer quebrar unilateralmente o seu contrato e já disse isso ao presidente Alberto Dualib. O dirigente ficou de designar um de seus assessores para negociar a saída de Edvar com o Mogi, mas até agora não houve uma definição. Se até segunda-feira não houver um acordo, o Corinthians começará a estudar um outro nome.

O vice-presidente de Futebol, Antônio Roque Citadini, diz que o Corinthians não tem pressa para contratar o substituto de Rivellino. Mas a verdade não é bem essa. O campeonato brasileiro para o Corinthians, começa no dia 21, contra a Ponte Preta. Na rodada seguinte já começam as viagens. Além disso, o time precisa se reforçar. E o homem encarregado de negociar as contratações seria Edvar Simões ou quem vier para o seu lugar.

Sem Edvar, o Corinthians deve escolher entre Paulo Angioni, que já trabalhou no Parque São Jorge, em 1997, e José Eduardo Chimello, que teve boas passagens pelo São Paulo, Bragantino e Flamengo-RJ. A diretoria também estuda a nomeação de um diretor de Futebol não remunerado para auxiliar Citadini, já que o vice de Futebol tem os seus compromissos no Tribunal de Contas do Estado (TCE) e não pode se dedicar integralmente ao clube.

Segundo consta, Paulo Angioni teria sido uma indicação do técnico Oswaldo de Oliveira. Angioni deixou as portas abertas no clube e tem a admiração de Dualib.