Quem também treinou entre os reservas foi o capitão Paulo Baier, que acabou virando um presente para a garotada que até então apenas observava o meio-campo nas atividades diárias.

Jogar com o capitão foi uma experiência nova para os jovens jogadores, que prestavam atenção até mesmo nas chamadas que Baier fazia a colegas do seu time. Mesmo os que foram substituídos seguiram assistindo ao capitão, deixando o campo só depois do fim da partida.