Antes de assumir a seleção brasileira feminina de basquete, o brasiliense Paulo Bassul, de 41 anos, construiu um belo histórico como técnico de base no País. Já viu muita briga acontecer na quadra e fora dela. Mas quando o assunto é a desavença que teve com a ala Iziane, ele se transforma e fica tenso.

Ele brigou com a atleta no Pré-Olímpico de Madri, em 2008. O Brasil precisava de Iziane para conseguir mais facilmente uma vaga nos Jogos de Pequim. Mas ela se recusou a voltar em quadra contra a Bielo-Rússia porque havia “esfriado” no banco. Bassul disse então que não trabalhava mais com ela e foi o que fez na China.

Um ano depois, o treinador repensou sua posição. A vontade de Hortência, nova diretora da Confederação Brasileira de Basquete, pesou e Iziane foi convocada. “Não chegou a ser um pedido dela. A Hortência falou do desejo de resolver a situação. Disse, após ter acertado comigo, e isso [a convocação] não foi condição em momento nenhum, que gostaria de resgatar a Izi. Eu falei que não era problema porque também gostaria de contar com ela”, disse Bassul.

A seleção brasileira começou nesta semana os treinos físicos e técnicos rumo à Copa América, em Cuiabá, que será disputada de 23 a 27 de setembro deste ano. O torneio valerá três vagas para o Campeonato Mundial da República Checa, em 2010.