Cristian e Marcel, duas armas
para abastecer o atacante Galvão
na hora da decisão.

Num jogo de vida ou morte, o técnico Paulo Campos prevê “um duelo de titãs”. Para quem se apegar tão-somente à tabela de classificação, o rótulo pode até parecer impróprio. Afinal, o que se esperar de uma partida que coloca frente a frente o antepenúltimo colocado e o lanterna do Brasileirão?

O técnico paranista, no entanto, não estava, ao usar essa denominação, tentando vender uma falsa imagem, nem tampouco valorizar excessivamente duas equipes que apenas lutam contra o rebaixamento. Falou com a simplicidade de quem vê Paraná Clube e Grêmio além da frieza dos números.

O técnico – responsável pelo resgate moral do tricolor – acredita num grande jogo hoje à noite, às 18h10, no Pinheirão. Alertou os jogadores para as dificuldades que seu time terá neste confronto “de seis pontos”. Com uma vitória, o Paraná praticamente elimina o rival da disputa e segue sua caminhada de recuperação no campeonato brasileiro. Um revés, porém, ressuscita o Grêmio e torna mais tortuosa a estrada paranista. Paulo Campos terá pela frente “um jogo de xadrez”, onde a vontade prevalecerá sobre a técnica. Pelo menos essa é a expectativa do treinador, que preferiu não antecipar qual estratégia será aplicada no início da partida.

Durante toda a semana, destacou a qualidade individual do adversário. “Não é fácil compreender como um time com a estrutura e os atletas que possui está nessa situação”, destacou. “O Grêmio tem um elenco de nível e por isso todo o cuidado é pouco.” Não concorda sequer com os críticos, que consideram atletas como Cocito e Claudiomiro violentos. “Isso é fruto da mídia. Muito mais folclore que realidade. São jogadores voluntariosos e que defendem sua camisa, seu clube”, comentou. Quer seu time jogando com esta mesma dedicação, fazendo valer o mando de campo para assegurar um “sprint” nesta reta final do Brasileirão. Se há qualidade no time gaúcho, o tricolor também comprovou nas últimas rodadas que está em franca ascensão.

Paulo Campos não acredita que o adversário, mesmo diante da necessidade de vitória, entrará em campo com uma estratégia “kamikase”. “Eles não irão se expor. Será um jogo de muita marcação.” Só não disse se o Paraná irá lançar mão de um esquema agressivo, adiantando as linhas de marcação e pressionando o Grêmio desde o apito inicial. Na teoria, o Tricolor adotará um sistema mais ofensivo, pela própria característica dos atletas escalados. Com Maranhão, o time ganha em velocidade e movimentação pelos flancos. Mesmo assim, o jogador deverá compor o meio-de-campo, junto com Cristian e Marcel, não alterando assim o posicionamento utilizado nos últimos jogos.

Uma vitória, hoje, pode fazer com que o Paraná finalmente deixe a zona de rebaixamento, onde está há exatos três meses. Para isso, além dos três pontos, precisa de mais dois resultados combinados, dentre quatro possibilidades. Torce para que Flamengo, Atlético Mineiro e Botafogo não vençam seus jogos, contra Guarani, Goiás e São Paulo, respectivamente, ou ainda que o Vitória perca para o Juventude.

CAMPEONATO BRASILEIRO
40ª RODADA
SÚMULA
Local: Pinheirão (Curitiba).
Horário: 18h10.
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (FIFA-SC).
Assistentes: Claudemir Maffessoni (SC) e Edmundo Alves do Nascimento (SC).

PARANÁ CLUBE x GRÊMIO

PARANÁ
Flávio; João Paulo, Fernando Lombardi, Émerson e Vicente; Axel, Beto, Cristian e Marcel; Maranhão e Galvão. Técnico: Paulo Campos.

GRÊMIO
Tavarelli; Fábio Bilica, Capone e Claudiomiro; George Lucas, Cocito, Felipe Melo, Bruno e Léo Inácio; Cláudio Pitbull e Christian. Técnico: Cláudio Duarte.

A luta dos desesperados contra a queda

Gisele Krodel Rech

Quando a fórmula de pontos corridos foi lançada no campeonato brasileiro, há dois anos, já era prevista uma disputa dupla. De um lado, clubes brigando pelo título; do outro, numa disputa tão acirrada quanto, a turma da retaguarda, lutando desesperadamente para não cair para a Série B.

Nesta rodada, a 40.ª, a luta contra o rebaixamento deve chamar mais atenção do que a disputa pela ponta. Por coincidências de tabela, os quatro últimos colocados, que estariam rebaixados caso o Brasileirão acabasse hoje, se digladiam hoje, às 16h.

Para os paranaenses, certamente a disputa entre Paraná e Grêmio, no Pinheirão, chama mais atenção. E é a tal história do jogo que vale seis pontos. Quem vencer, ganha oxigênio. Quem perder, sepulta ainda mais as esperanças. Na 22.ª colocação, com 41 pontos, o Tricolor pode sair da zona de rebaixamento se bater o lanterna absoluto Grêmio, que tem 35 pontos. Já para o lado gaúcho, um revés pode praticamente decretar a queda. Afinal, restam apenas seis rodadas. No Rio de Janeiro, o Flamengo, 21.º com 42 pontos tenta afundar ainda mais o Guarani que, com 39 pontos, está em 23.º.

Apesar do abatimento natural, o discurso nos quatro lanternas é o mesmo: lutar enquanto houver esperança. Talvez, em função da série de bons resultados, o astral no Paraná seja o melhor. O time recebeu uma injeção de ânimo com o retorno do técnico Paulo Campos, melhorou o padrão de jogo e só perdeu um jogo nas últimas seis rodadas – venceu três e empatou outros dois. Entretanto, mesmo cheio de esperanças, o Tricolor está consciente que o jogo contra o Grêmio é de suma importância. “É um jogo de vida ou morte”, resume o técnico Paulo Campos. No Mengo, melhor classificado entre os quatro, o goleiro Júlio César resume o pensamento do grupo. “Já passamos por isso e nos livramos. Aqui, não se pensa em rebaixamento.” De qualquer forma, a turma na Gávea reconhece: bater o concorrente direto Guarani é uma ótima pedida.