Cash Minister (J. Miranda), do Haras
do Verde Vale, sob os cuidados de Jairo
Borges, derrotou Kuña Pajé em chegada
sensacional.

O tradicional Clássico Primavera deste ano ganhou especial importância porque foi em homenagem ao saudoso turfista Ciro Frare, que muito fez pelo turfe, como criador, proprietário e dirigente, merecendo a homenagem prestada pelo Jockey Club do Paraná.

A tradicional corrida, que vem sendo realizada desde 1942, marcou sensacional vitória de Pianista di Ouro.

Kaysaty regulou o ritmo da corrida, com Nhá Tuta na segunda colocação, figurando Pianista di Ouro um pouco mais atrasada. Na entrada da reta Nhá Tuta dominou Kaysaty e chegou a livrar boa vantagem, mas nos 200 finais Pianista di Ouro atropelou forte e dominou Nhá Tuta, livrando pescoço de vantagem. Uma vitória, portanto, sensacional, com Devoué em bom terceiro.

Pianista di Ouro, uma filha de Mensageiro Alado e Empadinha, é de criação e propriedade do Haras Curitibano, de Raul Trombini, que foi apresentada em grande forma por Márcio Ferreira Gusso e recebeu precisa direção de Edgar Araújo, que marcou sua sétima vitória na importante corrida

Prova especial

Outra prova do calendário oficial foi a Prova Especial Independência, que foi vencida pelo grande favorito Wiseguy. Juanito Caminador e Dunque brigaram pela ponta. Na curva, porém, Juanito Caminador destacou-se daquele rival, mas logo no início da reta recebeu o ataque de Wiseguy, que depois de assumir a ponta disparou para o disco, enquanto Juanito Caminador perdeu o segundo para Aramore.

Wiseguy, um filho de Emmson e What a Seven, de criação e propriedade do Haras J.B.Barros, foi apresentado por Márcio Gusso e dirigido com tranqüilidade por Jair Jesus.

Outras provas

Montesinos, junto à cerca externa, conseguiu boa vitória para o Stud Tio Tobias. Depois de brigar pela ponta desde o início, dirigido por Elizeu Pires dos Santos, derrotou com autoridade Jessey Norman, com Honey Sobert, que largou por dentro e foi tirado para fora, na terceira colocação.

Cash Register, do Haras do Verde Vale, venceu a terceira prova, apresentado por Jairo da Silva Borges e dirigido pelo aprendiz Júlio Miranda. Kuña Pajé destacou-se na ponta, mas no final foi dominada por Cash Register. Brown Point terminou na posição imediata.

Tito Skippa, do Haras Áustria, venceu facilmente a quarta prova que contou com apenas três competidores. Seguiu de perto Paper Quick e Munich, para domina-los facilmente nos 400 finais, com Munich na formação da dupla. O vencedor foi apresentado por Altair Chioratto e dirigido por Elizeu Pires dos Santos.

Jangal Khan, do Stud Meio-Século, ganhou a quinta prova, dirigido por Fabio Stinghen e apresentado em boa forma por Antenor Menegolo Neto. Lido de France correu na ponta, chegando a dar impressão de vitória. No final, porém, recebeu o ataque de Jangal Khan, que ainda venceu com autoridade, com Irremediável na terceira colocação.

Mark Brown, do Stud Dubai Again, apresentada por Luiz Roberto Feltran, surpreendeu na penúltima prova. Assumiu a ponta na primeira parte do percurso e seguiu até o final, para ganhar por larga margem de Emerald Gun, com Quatz sem corresponder na terceira colocação. O vencedor recebeu a direção de Manoel Marquez.

A prova de encerramento foi vencida Rachrush, que dominou a corrida de ponta a ponta, defendendo-se com autoridade do ataque de US Pensilvania, que formou a dupla com Sem Vicio perto na terceira colocação. A vencedora, de propriedade de João Carlindo, que também é seu treinador, recebeu precisa direção de Raphael Paloma.