Nesta sexta-feira, o Rali Dacar abriu a sequência de etapas mais difíceis, com as condições do Deserto do Atacama lembrando em muito o Deserto do Saara. O português Ruben Faria se deu melhor no piso fesh-fesh e garantiu a primeira vitória. Cyril Despres conseguiu terminar à frente de Marc Coma e diminuir a distância para liderança, que continua com o espanhol.

Faria comandou a trilha das motos, seguido de perto por Helder Rodrigues. A diferença entre os portugueses chegou a ficar em apenas 26 segundos. Ao final dos 456 quilômetros da especial, Faria confirmou sua primeira vitória com 5h35min27. Ele havia sido considerado o vencedor do primeiro desafio, mas após uma punição por excesso de velocidade, perdeu o título para Despres.

Brasileiros

José Hélio, melhor brasileiro no Dacar até o momento, teve que abandonar as disputas. O piloto sofreu um acidente por volta do quilometro 55, trecho com predominância de areia, e fraturou a clavícula. Ao final da quinta etapa, Zé Helio era o 11.º na classificação geral.

Jean Azevedo não se abalou com o terreno e mostrou que, mesmo depois de migrado para a categoria Carros, ainda tem intimidade com a moto nas condições extremas encontradas ontem.

O brasileiro concluiu a especial com o tempo de 6h05min29, em 16º. Para ir para o dia de descanso com tranquilidade, Jean ainda ganhou uma posição no geral e é o 13º.

Depois do adeus de José Hélio, o Brasil perdeu mais um representante no Rali Dacar ontem. O caminhão de André Azevedo, Maykel Justo e Mira Martinec quebrou no quilômetro 50 da especial entre Iquique e Arica, no Chile e não conseguirá completar o trecho cronometrado. Pelo regulamento, o trio está fora da disputa.

Após percorrer 4.568 (trajeto para as motos), o rali faz uma pausa hoje. O retorno será amanhã, quando os aventureiros deixam Arica em direção a Antofagasta para a maior especial.