Nürburgring – Quando começarem hoje os treinos livres para o GP da Europa, Brasil e Inglaterra já saberão qual das duas seleções terá passado para as semifinais da Copa do Mundo. Isso se não houver prorrogação e pênaltis. O resultado do jogo vai alterar o humor de quase todos na Fórmula 1.

A imensa maioria dos mecânicos e funcionários das equipes é inglesa. Seis dos 11 times da categoria carregam a bandeira do Reino Unido. Quando se inclui a francesa Renault e a ítalo-australiana Minardi na conta, chega-se a oito fábricas na Inglaterra. Apenas Ferrari (Itália), Sauber (Suíça) e Toyota (Alemanha) não têm sede na ilha gelada.

Logo depois, jogam Alemanha e Estados Unidos. O início da partida (8h30 de Brasília), coincide com a meia-hora final da segunda sessão de treinos livres em Nürburgring. Por mais que a F-1 tente disfarçar, é impossível ficar indiferente à Copa. As reuniões entre pilotos e engenheiros na manhã de hoje antes do treino terão apenas 15 minutos de duração. “Vai ser no intervalo do jogo”, revelou Felipe Massa, da Sauber, um dos três pilotos brasileiros da categoria, ao lado de Rubens Barrichello, da Ferrari, e Enrique Bernoldi, da Arrows.

Além deles, seis brazucas da F-3000 e mais um piloto de testes, Luciano Burti, da Ferrari, formarão na minoria verde-amarela contra a massa de torcedores ingleses da F-1,que tem apenas um piloto, Jenson Button, da Renault. Entre os envolvidos no outro jogo de quartas-de-final, a torcida também tem gente importante. Michael Schumacher, por exemplo. “Vou treinar de dedos cruzados”, disse o alemão, boleiro assumido.

Líder do mundial, Schumacher disse que na parte final dos treinos de hoje será informado do andamento do jogo pelo painel instalado no volante de seu carro. Um técnico de telemetria foi designado para lhe avisar por escrito caso saia algum gol em Ulsan, na Coréia do Sul. “Acabou o treino, eu corro para a TV para ver o jogo”, garantiu Michael, que joga por um time da Segunda Divisão na Suíça quanto tem um tempinho livre.

No que diz respeito ao GP, nono desta temporada, a maioria dos pilotos evitou fazer prognósticos. Isso porque o traçado de Nürburgring foi alterado, com a construção de uma sequência de quatro curvas lentas no final da reta dos boxes. A pista foi aumentada em 590 m e passou a ter 5.146 m de extensão. “Vão aumentar as chances de ultrapassagens, mas a gente só vai saber mesmo como vai ser na hora em que andar”, disse David Coulthard.

A Copa do Mundo não mexe apenas com a cabeça do pessoal da F-1. Mexe também com os horários. O treino de classificação, amanhã, vai começar 45 minutos antes do normal, às 12h15 locais (7h15 de Brasília). Desta forma, termina 15 minutos antes de Senegal x Turquia, outro jogo das quartas-de-final. Isso para que não haja concorrência nas transmissões de TV. A corrida de domingo tem horário normal: 14h locais (9h de Brasília), e há previsão de chuva.