Mônaco – Em franca campanha para colocar seu filho na Fórmula 1, Nelson Piquet apresenta hoje o filho pródigo a quem de direito. Nelsinho, atual terceiro colocado na F-3 Inglesa, estará ao lado do pai em Mônaco para acompanhar, amanhã, a sétima etapa do mundial. Pelos planos do tricampeão, Nelsinho fará seu primeiro teste num F-1 ainda neste ano, será piloto de testes de alguma equipe em 2004 e estréia como titular em 2005.

Para ver e ser visto, Monte Carlo é o lugar. Mas Nelsinho já recebeu uma visita ilustre na semana passada em Silverstone, onde venceu sua segunda corrida no campeonato: de Frank Williams, chefe de Piquet em 1986 e 1987. Foi pela Williams que o brasileiro ganhou seu terceiro título. Para ajudar ainda mais, Nelson tem ótimas relações com a BMW, atual parceira da equipe. Com esse motor, venceu o campeonato de 1983, na Brabham, o primeiro título de um motor turbo na história da F-1.

A estratégia de Piquet é inteligente. No começo da semana, depois da vitória do rebento em Silverstone, deu uma longa entrevista ao jornal inglês The Independent, um dos mais respeitados do país. O que sai num jornal desse porte tem mais peso do que, por exemplo, uma declaração dada a uma revista especializada, por melhor que seja.

Na entrevista, Piquet disse que seu filho é melhor do que ele. “A maneira como ele controla um carro no molhado é inacreditável”, falou. “Nelsinho é bom o bastante para ser campeão mundial na F-1”, garantiu, na seqüência. A meta em curto prazo é acertar algum tipo de acordo com a Williams. Nelson não quer ver o filho patinando em equipes pequenas. Se for para dar o passo mais largo que a perna, que seja na direção certa.

Hoje acontece o treino que define o grid para o GP de Mônaco. A sessão começa às 9h de Brasília.