Uma briga entre torcedores corintianos, no início da madrugada desta quinta-feira, na Praça Charles Muller, em frente ao Pacaembu, acabou tomando proporções maiores e se transformou em um grande confronto com a Polícia Militar. No final, um grupo de 70 pessoas foi encaminhado para o plantão do 23.º Distrito Policial, de Perdizes, na zona oeste de São Paulo. São 58 homens e 12 mulheres.

Munidos de paus e pedras e com os ânimos exaltados após a eliminação corintiana na Copa Libertadores da América, amargada após vitória por 2 a 1 sobre o Flamengo, dezenas de torcedores começaram a atacar policiais militares da Tropa de Choque e da Força Tática. Encurralados, os policiais tiveram de dispersar o grupo, usando para isso bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo.

Motoristas que seguiam pela Avenida Pacaembu em direção à Avenida Doutor Arnaldo tiveram que dividir espaço com os corintianos que corriam para todos os lados e passar pela fumaça gerada pelas bombas lançadas pelos policiais.

Já na Avenida Pacaembu, um ônibus fretado por um grupo de torcedores foi parado pelos demais que seguiam a pé. A intenção dos que estavam do lado de fora era pegar uma carona no coletivo para escapar dos policiais. O motorista, pressionado por quem estava dentro do veículo, não abriu a porta. Revoltados, os torcedores do lado de foram depredaram o ônibus.

O motorista ficou levemente ferido. Se não bastasse, duas agências bancárias, uma do Unibanco/Itaú e uma do Bradesco, foram depredadas e invadidas pelos torcedores, alguns deles na tentativa de se esconder dos policiais.

Uma viatura da PM e um veículo de uma TV também ficaram danificados. Com os torcedores presos, os policiais apreenderam paus e pedras.