A Ponte Preta cochilou e acabou tomando um incrível virada na Série B do Campeonato Brasileiro nesta terça-feira. O time campineiro estava vencendo por 3 a 1, mas tomou dois gols em dois minutos e perdeu para o Atlético-GO por 4 a 3, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, pela 21ª rodada.

Com o resultado, a Ponte Preta manteve os 34 pontos e perdeu os primeiros colocados de vista. Já o Atlético-GO, que estreou o técnico Wagner Lopes, acabou com uma série de quatro derrotas seguidas e subiu para os 28 pontos, no meio da tabela.

A tarde tinha tudo para ser de festa para a torcida pontepretana. Renato Cajá, principal reforço para a disputa da Série B, começara como titular pela primeira vez e o treinador Guto Ferreira sentava no banco pela 50ª vez como treinador da Ponte. Apesar das expectativas positivas, os donos da casa não tiveram um bom começo.

O esquema com dois atacantes e dois meias não funcionou da forma esperada. Cajá e Thomás não se entenderam. O Atlético-GO aproveitou as dificuldades do adversário para abrir o placar aos nove minutos. Após cruzamento da direita, André Luis testou firme, da entrada da área, e abriu o placar para os visitantes.

Sem conseguir encaixar jogadas pelo meio-campo e sofrendo com a falta de criatividade, a Ponte Preta teve que usar ligações diretas para chegar ao campo de ataque. Foi justamente em um chute do campo de defesa que o time campineiro conseguiu empatar. Aos 19 minutos, Roberto se livrou da bola.

Na intermediária, Rafael Costa deu leve desvio de cabeça e encontrou Roni, na lateral da área, que rapidamente cruzou rasteiro. No meio do caminho, Lino tentou fazer o corte, mas colocou contra sua própria meta.

Logo após o gol, a Ponte perdeu Rafael Costa lesionado. Mesmo sem seu principal jogador de ataque, o time campineiro teve força para conseguir a virada ainda na primeira etapa. Aos 33 minutos, Renato Cajá cobrou falta em direção a área e encontrou Tiago Alves, que desviou de cabeça para o gol.

Novo homem de área do time campineiro, Douglas Tanque ainda teve oportunidade de ampliar. Ele recebeu em posição legal, driblou o goleiro Márcio, mas demorou para chutar e chutou em cima da marcação.

O Atlético voltou assustando em cabeçada de Jorginho, mas a Ponte Preta conseguiu matar o jogo aos nove minutos. Thomás, uma das novidades para a partida, fez jogada individual, cortou da ponta para o meio e bateu forte, no canto direito de Márcio.

Com placar mais elástico, a Ponte teve mais espaço para jogar. O meia Renato Cajá recebeu com liberdade no meio-campo e tentou bater com categoria. A bola triscou o travessão. A tranquilidade na partida foi o principal vilão da Ponte. O time acreditou que a partida estava ganha e parou de jogar. Bom para o Atlético-GO, que se lançou ao ataque e conseguiu o improvável.

Aos 37 minutos, Lino diminuiu o marcador em cabeçada certeira. Embalado, o time visitante ainda conseguiu a virada com dois gols do atacante Josimar, que veio do banco de reservas. Em lances parecidos, ele apareceu livre na área para completar jogadas pelo lado esquerdo, aos 41 e 42 minutos do segundo tempo.

A Ponte volta a campo contra o Luverdense na próxima sexta-feira, às 21h50, no Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde. No sábado, o Atlético-GO recebe o Vasco, às 16h10, no Mané Garrincha, em Brasília.

FICHA TÉCNICA:

PONTE PRETA 3 x 4 ATLÉTICO-GO

PONTE PRETA – Roberto; Rodnei, Gilvan, Tiago Alves e Bryan; Fernando Bob, Juninho, Renato Cajá e Thomás (Adrianinho); Roni (Nathan) e Rafael Costa (Douglas Tanque). Técnico: Guto Ferreira.

ATLÉTICO-GO – Márcio; Jonas, Adriano Alves, Lino e Thiago Feltri; Marcus Winícius, Wagner Carioca (Diogo Campos) e Pedro Bambu; André Luis (Juninho) e Yago (Josimar). Técnico: Wagner Lopes.

GOLS – André Luis, aos 9, Lino,contra, aos 19, e Tiago Alves, aos 33 minutos do primeiro tempo. Thomás, aos 9, Lino aos 37 e Josimar, aos 41 e 42 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Italo Medeiros de Azevedo (RN).

CARTÕES AMARELOS – Renato Cajá (Ponte Preta); Lino e André Luis (Atlético-GO).

RENDA – R$ 38.615,00.

PÚBLICO – 4.579 pagantes.

LOCAL – Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP).