A alegria pela vitória histórica sobre o Vélez Sarsfield por 2 a 0, em pleno estádio José Amalfitani, na última quinta-feira, em Buenos Aires, na Argentina, deu lugar para a preocupação um dia depois do feito inédito. Isso porque, de acordo com o regulamento da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), a capacidade mínima para um estádio receber uma partida da semifinal na competição é de 20 mil. Mas o torcedor alvinegro pode ficar tranquilo, pois o duelo de volta diante do São Paulo deve mesmo ser realizado no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

Segundo o regulamento da Conmebol, a capacidade mínima para os jogos da fase de grupos é de 10 mil pessoas, enquanto que das oitavas até as semifinais é de 20 mil. Para a decisão, o número já sobe para 40 mil. No site da Federação Paulista de Futebol (FPF), o responsável técnico Ricardo de Andrade Hofer diz que a capacidade máxima do Moisés Lucarelli é de 16.900 torcedores. Mas a entidade paulista sempre deixa uma margem de folga de 30%, que significaria mais 5.070 lugares, em um total de 21.970.

No entanto, a diretoria alvinegra garante que tem um laudo do Corpo de Bombeiros dizendo que a capacidade máxima do Moisés Lucarelli é de 22 mil, permitindo assim a realização do confronto diante do São Paulo. E a Ponte Preta realmente não deve ter problemas, pois os jogos contra Deportivo Pasto (Colômbia) e Vélez Sarsfield, pelas oitavas e quartas de finais, respectivamente, aconteceram em Campinas.

E o fator casa vem sendo muito importante para a Ponte Preta na luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro e também pelo título da Sul-Americana. A última derrota no Moisés Lucarelli foi no dia 1 de outubro, quando perdeu para o Náutico por 2 a 1, de virada. De lá para cá, venceu Atlético Mineiro, Coritiba e Vasco, além de um empate sem gols com o Vélez Sarsfield.

Nesta sexta, a Conmebol anunciou as datas das semifinais da Copa Sul-Americana. O primeiro jogo será no dia 20 de novembro, no estádio do Morumbi, enquanto que a partida decisiva acontece na semana seguinte, no Moisés Lucarelli.