A Ponte Preta confirmou oficialmente nesta segunda-feira que a Conmebol vetou mesmo o Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, para a disputa do jogo de volta contra o São Paulo, no dia 27 de novembro, pela semifinal da Copa Sul-Americana – a partida de ida será já nesta quarta, no Morumbi. Em nota oficial, o presidente do clube, Márcio Della Volpe, criticou a postura são-paulina no caso.

O São Paulo pressionou a Conmebol para vetar a utilização do Moisés Lucarelli, porque não tem a capacidade mínima de 20 mil lugares exigidas no regulamento da competição – segundo laudo da Polícia Militar, o local comporta 16,9 mil torcedores. A Ponte tentou manter a partida no seu estádio, que foi usado normalmente nas fases anteriores da Sul-Americana, mas, como já era esperado, não teve sucesso.

“Se o São Paulo não tivesse questionado, o jogo seria aqui normalmente. É lamentável que um tricampeão mundial tenha chegado a este ponto: uma atitude mesquinha, picuinha. Em vez de se preocupar com futebol, está se preocupando com capacidade de estádio, alegando que aqui é maltratado. Nosso estádio já estava preparado e aqui a polícia garante a segurança em grandes eventos. É uma tristeza também para a cidade de Campinas, que poderia receber uma semifinal de Sul-Americana e foi cerceada desse direito”, afirmou o presidente da Ponte.

Diante disso, a Ponte pretendia levar o jogo para o Estádio Romildo Ferreira, em Mogi Mirim, também no interior paulista, mas Márcio Della Volpe revelou que isso ainda não está definido. “Queremos agora que a FPF e a CBF oficializem de maneira clara a capacidade do estádio que iremos escolher, pois chegou até nós a informação de que o time da capital já estaria questionando a capacidade do estádio do Mogi, que é uma das opções, demonstrando mais uma vez sua clara intenção de prejudicar o adversário fora do gramado”, disse o dirigente.

O presidente da Ponte ainda disse ver uma situação de risco porque o jogo não acontecerá mais no Moisés Lucarelli. “Agora, sim, a insegurança está instalada: vamos colocar 20 mil torcedores na estrada e vai ser aquela complicação, pois nossa torcida estará raivosa por não jogar em casa. Infelizmente isso tem sido comum na vida do São Paulo. Eles brigam tanto com outros times que parecem gostar disso”, avisou.