A Ponte Preta já começou perdendo a disputa das semifinais da Copa Sul-Americana com o São Paulo. Ao contrário do que tinha garantido a diretoria ponte-pretana, o clube não possui um laudo técnico que habilita o Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, a receber público mínimo de 20 mil torcedores, como exige o regulamento da competição. Com isso, o jogo de volta do confronto, marcado para o dia 27 de novembro, deve ser disputado no Estádio Romildo Ferreira, em Mogi Mirim, cidade distante 58 quilômetros.

Na tarde desta terça-feira, o tenente-coronel do 35º Batalhão da Polícia Militar de Campinas, Nelson Coelho, desmentiu as informações divulgadas no fim de semana pela assessoria de comunicação da Ponte de que o Moisés Lucarelli tem capacidade para até 27 mil pessoas.

“O laudo que nós temos em mãos do Corpo de Bombeiros e o alvará de uso do estádio consta as informações de que o estádio tem capacidade de 16,9 mil lugares. O que a Ponte tem é um projeto de um engenheiro, pedindo uma nova vistoria”, afirmou o tenente-coronel.

A informação oficial da PM coloca a Ponte contra a parede. Afinal, o clube publicou um documento dizendo que o Corpo de Bombeiros já havia liberado o Moisés Lucarelli para receber mais de 27 mil torcedores, o que foi desmentido pelo tenente-coronel Nelson Coelho.

Diante da nova informação, o presidente em exercício da Ponte, Márcio Della Volpe, tentou explicar a confusão. “A Federação Paulista (de Futebol) pediu para os clubes anteciparem os laudos, para não haver problema em janeiro. Desde maio, solicitamos novo estudo e foi nos apresentado este projeto, com uma capacidade para 27 mil pessoas. E solicitamos aos bombeiros e à PM para averiguação. O que está válido é o laudo de 16,9 mil”, disse o dirigente.

O presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF), Marcos Marinho, garantiu que o Estádio Romildo Ferreira poderia receber o duelo entre Ponte e São Paulo. No laudo de segurança exibido no site da entidade, está especificado, porém, que o local tem capacidade de 19,9 mil pessoas.

“O estádio do Mogi Mirim tem capacidade para mais de 20 mil pessoas. Isso eu tenho certeza”, afirmou Marcos Marinho, em entrevista à Rádio Central de Campinas. “Agora, cabe à Ponte Preta e à CBF definirem o local do jogo, caso a Conmebol peça a alteração”, completou.

O presidente da Ponte rechaçou qualquer possibilidade de mandar o jogo para a capital paulista. “Se eles estavam pensando nisso, se enganaram. Não há a mínima possibilidade deste jogo acontecer em São Paulo. Estamos confiantes de que o jogo será em Campinas. Mas se não acontecer, não será em São Paulo”, prometeu.