Londres – O português Carlos Queiroz, auxiliar técnico do Manchester United, criticou ontem o brasileiro Luiz Felipe Scolari (foto), da seleção de Portugal, por ter confirmado a intenção de ocupar o lugar do sueco Sven Goran Eriksson à frente da Inglaterra após a disputa da Copa 2006, na Alemanha.

Em entrevista à rede portuguesa TSF, Queiroz, que já comandou o Real Madrid, disse que as declarações feitas no Reino Unido por Scolari ?foram de profundo mau gosto e totalmente inapropriadas?.

Para o auxiliar do Manchester, permanecer ?em situação de oferta e procura não dignifica as seleções, os treinadores e os dirigentes?.

Scolari, que conquistou o pentacampeonato com a seleção brasileira no último mundial, disputado na Coréia e no Japão, disse à emissora britânica BBC Rádio Five Live que, apesar de não conhecer o idioma inglês, gostaria de ser o próximo técnico da equipe local.

Porém, o treinador brasileiro afirmou que analisará ofertas apenas quando seu contrato com a seleção de Portugal terminar – em 9 de julho, data de encerramento da Copa.

Scolari reconheceu em outubro passado que se Portugal não conseguir bons resultados no mundial não seguirá à frente da equipe.

?Sou um bom treinador e um cidadão do mundo, e por isso me sinto feliz em qualquer país?, completou, ressaltando que já trabalhou no Kuwait, na Arábia Saudita, no Japão, além do Brasil.