Em uma noite fria e festiva no estádio do Canindé, em São Paulo, a Portuguesa comemorou, nesta sexta-feira, o acesso e o título do Campeonato Brasileiro da Série B. Em campo, deu a lógica ao golear o lanterna Duque de Caxias por 4 a 0, na abertura da 37.ª rodada, a penúltima da temporada. Depois o time recebeu o troféu de campeão, deu a tradicional volta olímpica e foi muito festejado por sua torcida.

A noite começou com um toque de classe pela execução do hino nacional ao som do piano com o maestro João Carlos Martins. Torcedor da Portuguesa, ele se emocionou ao abraçar o técnico Jorginho, que na entrevista coletiva confirmou a sua renovação de contrato com o clube para 2012. Agora a diretoria pretende renovar com a base do elenco e depois buscar reforços.

A vitória, conquistada com facilidade, pode ser entendida pela enorme diferença das campanhas do líder e do lanterna da competição. E deixou a Portuguesa com uma série invicta de 20 jogos e dona da melhor campanha com 78 pontos – 22 vitórias, 12 empates e apenas três derrotas. Ainda com o melhor ataque, com 80 gols, a maior marca na “era dos pontos corridos”, além do melhor saldo de gols, com 42.

Do outro lado, o Duque de Caxias conseguiu uma proeza: ter a pior campanha desde 2006, quando foi instituído o turno e returno na Série B. Acumulou 25 derrotas, 10 empates e apenas duas vitórias. Tem o pior ataque, com 30 gols, e a defesa mais vazada, com 82 gols e saldo de gols 52 negativos.

Armada com três atacantes – Henrique, Ananias e Edno -, a Portuguesa rapidamente chegou aos seus gols. Aos cinco minutos, após cobrança de escanteio, Renato apareceu na pequena área para completar para as redes. Aos 15, ampliou com Ananias, que na pequena área apenas completou o cruzamento do lado direito. Depois disso, o time “tirou o pé”, tocou mais a bola e deixou o tempo passar. Mesmo porque o adversário foi leal, sem cometer faltas mesmo sabendo da sua inferioridade técnica.

No segundo tempo, a Portuguesa manteve a velocidade e ampliou o placar aos oito minutos. Marcelo Cordeiro fez o passe em diagonal para Guilherme, que ajeitou de direita e bateu cruzado com a perna esquerda. O jogo ficou aberto e a Lusa perdeu várias chances. E, descontraída na defesa, também permitiu que o Duque de Caxias criasse boas chances no ataque, mas sem sucesso na finalização.

O quarto gol saiu aos 27 minutos, depois de jogada em velocidade pelo lado esquerdo. Henrique e Ananias tentaram o chute até que a bola chegou até Edno na pequena área. A defesa pediu impedimento, que não existiu. Ele ajeitou a bola e a empurrou para as redes, marcando o seu 13.º gol. Os 4 a 0 pareceram suficientes para garantir a festa da torcida. Por isso, o placar não mudou.

Na 38.ª e última rodada, no próximo dia 26 (sábado), a Portuguesa vai até Juazeiro do Norte (CE) para enfrentar o Icasa, que começou esta rodada ainda ameaçado pelo rebaixamento. O Duque de Caxias vai receber o Boa, em Volta Redonda (RJ).

Ficha técnica

Portuguesa 4 x 0 Duque de Caxias

Portuguesa – Weverton; Luis Ricardo, Renato, Leandro Silva e Marcelo Cordeiro (Rai); Boquita (João Neto), Guilherme e Marco Antônio; Henrique, Edno e Ananias (Júnior Timbó). Técnico: Jorginho.

Duque de Caxias – Thiago; Bruno Neves (Marcinho), Pablo Aguiar, Bruno Costa e Jorbson; Douglas Pedroso, Júnior (Jefinho), Leandro Teixeira (Rafael Augusto), Abedi e Erick Flores; Bruno Veiga. Técnico: Mário Marques.

Gols – Renato, aos 5, e Ananias, aos 15 minutos do primeiro tempo; Guilherme, aos 8, e Edno, aos 27 minutos do segundo tempo.

Cartão amarelo – Não houve.

Árbitro – Arilson Bispo da Anunciação (BA).

Renda – R$ 136.650,00.

Público – 6.150 pagantes.

Local – Estádio do Canindé, em São Paulo (SP).